Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Foto:Terezinha Vilk/Emater/RS-Ascar
Agro
Irrigação e armazenagem do feijão são avaliadas em Tarde de Campo em Paulo Bento
A atividade, realizada na quarta-feira, dia 20 de abril e foi sediada na propriedade de Juarez Testolin.
Terezinha Vilk/Emater/RS
por  Terezinha Vilk/Emater/RS
22/04/2022 18:40 – atualizado há 33 segundos
Continua depois da publicidadePublicidade

Visando qualificar o produtor na cultura de feijão, principalmente com ações voltadas para irrigação e armazenagem, a Emater/RS-Ascar, vinculada à Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr), Prefeitura de Paulo Bento e a Universidade Regional Integrada - URI promoveram Tarde de Campo, com apoio da Sicredi e Cresol. A atividade, realizada na quarta-feira (20/04), foi sediada na propriedade de Juarez Testolin, reunindo produtores, extensionistas a acadêmicos da URI acompanhados dos professores Amito José Teixeira (coordenador do curso de Agronomia) e Antonio Sergio do Amaral (coordenador da Área de Ciências Agrárias).

Os participantes receberam as boas-vindas da família que tem muitos anos de experiência de armazenagem de grãos na propriedade, principalmente com milho e soja.

Foto:Terezinha Vilk/Emater/RS-Ascar

Na sequência, o extensionista rural engenheiro agrônomo do Escritório Municipal de Paulo Bento, Neri Montepó, apresentou os dados referente a propriedade da família Testolin que totaliza 45 hectares divididos em duas áreas (família Juarez e Juliana, Luiz e Graciosa). A propriedade conta com silos armazenadores e instalação de energia fotovoltaica.

Na propriedade foram cultivados 10 hectares de feijão safrinha, sendo quatro hectares com irrigação e seis sem o sistema. Juarez Testolin prevê produção de 25 sacos por hectare. A colheita inicia no final de abril e início de maio.

O extensionistas engenheiro agrônomo Carlos Angonese, responsável pela área de armazenagem na região, juntamente com o extensionista engenheiro agrônomo Idemar Menegat, orientou sobre a estrutura de construção dos silos, vantagens econômicas, o processo de secagem do grão e a qualidade do grão. “Não adianta plantar um produtor diferenciado e armazenar fora”, poderaram.

Foto:Terezinha Vilk/Emater/RS-Ascar

O extensionista engenheiro agrônomo Luiz Angelo Poletto destacou a importância da irrigação como uma alternativa de amenizar os efeitos da estiagem e aumentar a rentabilidade. Também observou que a região tem potencial para aumentar as áreas irrigadas. Poletto disse que a região está avaliando novas variedades de feijão, e vem aumentando a área de plantio tanto para safra como para a safrinha, apesar dos custos que vem aumentando e a preocupação com aumento dos insumos. “Por isso, precisamos pensar bem e fazer lavouras com potencial produtivo e econômico.

A professora doutora Raquel Paula Lorensi frisou que a irrigação é um conjunto de ações, desde os cuidados com o solo, o volume de água dos açudes, qualidade de sementes, entre outros fatores que precisam ser avaliados. “Irrigação não significa molhação”. Segundo ela, o feijão é uma cultura sensível tanto ao excesso de frio quanto de calor e precisa uma série de cuidados. O produtor precisa saber quando e quanto irrigar. Para isso, é preciso usar um sensor para identificar, apontou. “Quanto mais calcular, mais exato a quantidade de água usar, em cada fase do desenvolvimento do feijão, melhor”, garantiu.

Foto:Terezinha Vilk/Emater/RS-Ascar

De acordo com Raquel, o feijão precisa de 300mm a 500mm de água em todo o ciclo, observando a necessidade de cada fase da cultura. “Bem menos que a cultura da soja que precisa 450mm a 800 mm”, comparou.

No final, os participantes assistiram uma demonstração com uso de drone na pulverização com o uso de água para não prejudicar a lavoura. A demonstração do equipamento foi feita por Rodrigo Husadel , da empresa Sagris, de Barão de Cotegipe.

Foto:Terezinha Vilk/Emater/RS-Ascar

Abertura 

O prefeito Gabriel Jevinski agradeceu a Emater/RS-Ascar e as parcerias do Sicredi, Cresol, URI e aos produtores na realização desta atividade. E observou que é hora de vencer as dificuldades impostas pela pandemia e pela recente seca. A agricultura é a base econômica do município, disse ao destacar a importância da agricultura. Atividades como esta ajudam a melhorar em tecnologia que irá proporciona ganho para o produtor, avaliou o prefeito.

Tonello agradeceu à família e as parcerias. Ele destacou a importância da irrigação e armazenagem para a pequena propriedade, sendo duas importantes ações de assistência técnica e extensão rural realizada pela Emater/RS-Ascar. Também ressaltou o crescimento da área de plantio da cultura de feijão na região do Alto Uruguai. Tonello agradeceu a participação de todos e a equipe do Escritório Municipal da Emater/RS-Ascar de Paulo Bento integrada pelos extensionistas Neri Montepó, Idemar Menegat e Maricruz Montemezzo.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE