Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Segurança
Implosão do prédio incendiado da SSP, em Porto Alegre acontece neste domingo
Implosão da antiga sede da Secretaria da Segurança Pública (SSP) – a primeira de um imóvel do poder público na Capital- acontecerá as 9h. A previsão é de que toda a implosão dure sete segundos.
Ascom SSP
por  Ascom SSP
05/03/2022 21:58 – atualizado há 5 dias
Continua depois da publicidadePublicidade

Empresa contratada pelo Estado para executar a implosão da antiga sede da Secretaria da Segurança Pública (SSP), a FBI Demolidora concluiu, no fim da noite de sexta-feira (4/3), a instalação dos explosivos para a implosão do prédio, neste domingo (6/3), às 9h.

O carregamento dos 200 quilos de emulsão encartuchada aditivada, da marca Ibegel SSP – coincidência aleatória com a sigla da pasta –, é uma das últimas etapas. O material chegou no terreno da antiga sede às 7h de sexta-feira (4), em um caminhão baú de empresa especializada nesse tipo de transporte, sob escolta de segurança privada, contratada pela FBI, e sob monitoramento da Brigada Militar (BM) e do Departamento de Inteligência da Segurança Pública (Disp) da SSP.

Foto: FBI Demolidora/Divulgação

Ao longo de manhã, tarde e noite, um grupo de 14 profissionais – entre os quais, três engenheiros de minas e seis blasters, também conhecidos como cabos de fogo, com treinamento específico para manuseio desse tipo de material – trabalharam na instalação dos explosivos nos pilares dos quatro primeiros andares do prédio.

Após a inserção das emulsões em perfurações de 1,02 metro de profundidade média nos pilares, num total de 1.184 furos, os profissionais fazem as conexões preliminares dos 4,5 mil metros de cordel detonante que ligam os explosivos entre si.

Catorze profissionais, incluindo três engenheiros de minas e seis técnicos, atuaram no carregamento dos explosivos - Foto: Rodrigo Ziebell / Ascom GVG

No domingo (6) pela manhã, horas antes da implosão, será feita a conexão principal do circuito a um tubo pirotécnico de 300 metros, que segue até ponto onde fica o detonador. Após a contagem regressiva, uma vez acionado o botão, é deflagrada uma substância a mil metros por segundo de velocidade, o que torna o comando praticamente instantâneo.

Conforme o plano elaborado pelo responsável técnico do serviço, o engenheiro de minas Manoel Jorge Diniz Dias, reconhecido na área como o profissional com maior know-how do país e responsável pelas maiores implosões já realizadas no Brasil, as explosões ocorrerão do primeiro para o quarto andar, com um intervalo de meio segundo entre um e outro.

Em cada andar, a sequência é a mesma. Começa pelos pilares centrais da edificação, de forma que parte já colapsada da estrutura dê início ao movimento de queda. Depois, seguem em direção às duas extremidades laterais do prédio, com intervalo de 0,4 segundo de um pilar para o outro.

A sucessão de explosões também estará programada de forma que, além da direção horizontal do meio para as pontas, ocorra primeiro nos pilares mais próximos da fachada principal, voltada para a rua Voluntários da Pátria, e siga até os que ficam mais perto da face posterior do prédio, voltada para a avenida Castelo Branco.

Dessa forma, a ação da gravidade deve fazer com que as duas torres de sustentação laterais cedam em movimento diagonal para o centro e na direção do interior do terreno da SSP, de forma que a avenida Castelo Branco não seja atingida.

Veja vídeo com a simulação da implosão:

A previsão é de que toda a implosão dure sete segundos. Depois, restarão no chão 20 mil toneladas de escombros, que serão removidos do terreno pela FBI Demolidora em cerca de 30 dias.

A implosão é a primeira de um imóvel do poder público na capital e também a primeira na cidade desde a demolição do edifício das Lojas Renner, também atingido por um incêndio, em 1976.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...