Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Agro
Secretaria de Agricultura do RS prevê auxílio às famílias afetadas pela estiagem
Promessa é de um salário mínimo para cada uma das 42 mil famílias afetadas
SEAPDR/RS
por  SEAPDR/RS
22/02/2022 21:59 – atualizado há 16 dias
Continua depois da publicidadePublicidade

A secretária da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural, Silvana Covatti, recebeu nesta terça-feira (22) representantes de entidades de agricultores familiares para conversar sobre ações emergenciais que a pasta está conduzindo a fim de mitigar os efeitos da estiagem em pequenas propriedades rurais.

Foto: Divulgação/Seapdr

Três questões foram trazidas pelas entidades representativas: a criação de um espaço de diálogo sobre a estiagem; formação de crédito emergencial para que os agricultores possam pagar os financiamentos assumidos para a implantação da safra que foi perdida; e de um auxílio emergencial para atender às necessidades básicas das famílias de produtores rurais atingidos pela estiagem.

Como atendimento à primeira demanda, foi publicado nesta terça o Decreto nº 56.390, no Diário Oficial do Estado, que institui o Fórum Permanente de Combate à Estiagem no Estado. O Fórum será uma instância de articulação e de orientação de políticas públicas com vista à proposição de medidas e de ações para combater os efeitos da estiagem e minimizar os seus impactos. As entidades Fecoagro, Fetraf, Fetag, MST, Unicafes, Famurs, Farsul, Ocergs, Frente Parlamentar da Agropecuária, Assembleia Legislativa foram convidadas a participar.

Com relação às duas outras demandas dos produtores, a secretária Silvana Covatti informou que já estão em processo de tramitação no governo duas propostas da Seapdr. “Uma delas é para instituir um programa de crédito emergencial contra adversidades climáticas no meio rural, com subvenção a juro zero. Esse programa prevê crédito de R$ 10 mil por família”, apontou Silvana. “O outro processo administrativo em estudo é sobre um auxílio emergencial para um público do meio rural mais vulnerável, que esteja inscrito no Cadastro Único, com o valor de um salário mínimo, beneficiando 42 mil famílias”, detalha a secretária.

A partir de pedidos dos participantes da reunião, a Seapdr estudará ainda a possibilidade de incluir cooperativas no programa de crédito emergencial a juros zero. Os representantes das entidades de classe também solicitaram que seja revisto o critério para o auxílio emergencial, uma vez que há agricultores familiares que não irão se enquadrar no critério do CadÚnico.

“O que queremos destacar é que a Secretaria não está de braços cruzados. Estamos trabalhando muito para que essas medidas se concretizem o mais rápido possível”, frisou Silvana.

Participaram da reunião representantes das seguintes entidades: Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA), Fetraf RS e União das Cooperativas da Agricultura Familiar e Economia Solidária (Unicafes).

Receba as notícias do Au pelo whatsapp. Para entrar em um dos grupos, clique aqui

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE