Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Cidade
Começa julgamento no STF sobre prisão disciplinar de PMs e bombeiros
Tema está em julgamento no plenário virtual da Corte. Ação pede que lei que veda detenções nos quartéis seja derrubada.
R7
por  R7
10/12/2021 19:59 – atualizado há 18 dias
Continua depois da publicidadePublicidade

O ministro Ricardo Lewandowski, do STF (Supremo Tribunal Federal), votou para restabelecer a prisão disciplinar de policiais militares e integrantes dos corpos de bombeiros dos estados. O magistrado é relator de uma ação que questiona uma lei aprovada em 2013. A norma vedou esse tipo de punição dentro dos quartéis. No entanto, na visão do magistrado, a medida é necessária para manter a disciplina militar.

O tema está em análise no plenário virtual da Corte, em julgamento que começou nesta sexta-feira (10) e segue até o dia 17. O voto do relator foi seguido pelo ministro Alexandre de Moraes. Os demais integrantes do plenário ainda não apresentaram voto sobre o tema.

"Essa é a razão pela qual o eixo estruturante do regime especial a que estão submetidos os servidores militares leva em conta a natureza peculiar de suas atribuições, o qual gira em torno da subordinação hierárquica e da submissão disciplinar aos respectivos comandantes", escreve Lewandowski em um trecho do voto.

O ministro destaca que o exercício correto da atividade militar, dentro da legalidade, deve ocorrer para resguardar os direitos da sociedade e o estrito dever legal da autoridade. "Essas características têm por finalidade a salvaguarda de valores basilares da vida castrense, entre os quais avulta o pronto e estrito cumprimento das missões que lhes são cometidas, sem quaisquer desvios ou tergiversações, sobretudo considerada a potencial letalidade de suas ações, que cresce exponencialmente quando executadas fora dos lindes da legalidade", aponta o relator.

As prisões disciplinares foram suspensas pela lei federal nº 13.967, promulgada em 2019. O artigo 18 da lei, inciso VII, define a "vedação de medida privativa e restritiva de liberdade" por meio de punições administrativas.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...