Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mundo
Crianças são as mais afetadas pela nova onda de Covid-19 na Europa
Organização Mundial da Saúde diz que vacinação de crianças deveria ser debatida e considerada a nível nacional.
Correio do Povo
por  Correio do Povo
07/12/2021 14:07 – atualizado há 21 dias
Continua depois da publicidadePublicidade

A Organização Mundial da Saúde (OMS) pediu nesta terça-feira (7) maior proteção para as crianças, a faixa etária mais afetada pela nova onda da pandemia de Covid-19 na Europa. Para evitar fechamentos de escolas e o ensino à distância, o departamento europeu da OMS recomenda o aumento dos testes de diagnóstico nos colégios e a análise da vacinação dos alunos, uma medida que foi aprovada por várias agências sanitárias em todo o mundo.

Foto: Josep Lago / AFP / CP

"O uso de máscaras e a ventilação, assim como testes regulares, deveriam ser a norma em todas as escolas do ensino básico. A vacinação de crianças deveria ser debatida e considerada a nível nacional, com o objetivo de proteger as escolas", afirmou o diretor da OMS para a Europa, Hans Kluge, em uma entrevista coletiva virtual.

Sobre a vacinação obrigatória, decidida ou prevista por alguns países, deve continuar sendo um "último recurso absoluto, somente quando todas as opções possíveis para aumentar a taxa de vacinação tiverem sido esgotadas", segundo a OMS Europa.

Na segunda-feira, um estudo do Banco Mundial e de várias instituições internacionais alertou para o impacto ainda mais pesado do que o esperado da pandemia na educação e no futuro das crianças em todo o mundo. De acordo com o estudo, a geração de jovens atualmente na escola corre o risco de perder quase US$ 17 trilhões de renda ao longo da vida como resultado do fechamento de escolas devido à pandemia.

Sem fornecer novas avaliações científicas, a OMS mais uma vez expressou sua preocupação com a nova variante ômicron, pedindo que as autoridades não esperem até que ela seja dominante para agir. "A ômicron está à vista e em ascensão e temos razão em estarmos preocupados e cautelosos. Mas o problema agora é a delta e o nosso sucesso contra a delta hoje será a vitória contra a ômicron amanhã", antes que os casos aumentem enormemente.

Aumento de casos de Covid-19 em todas faixas etárias na Europa

No Velho Continente, onde a OMS disse temer 500.000 mortes adicionais até a primavera (outono no Brasil), mais de 120.000 pessoas morreram de Covid-19 desde que este alerta foi emitido no mês passado. Com a aproximação das festas de final de ano - sinônimo de reuniões familiares e muitas viagens -, o número de vítimas está evoluindo para um "patamar elevado" de mais de 4.000 mortes por dia, segundo a organização. De acordo com a OMS, os casos aumentam atualmente em todas as faixas etárias, "com as taxas mais elevadas observadas atualmente entre 5 e 14 anos".

A Noruega deve anunciar novas medidas contra a epidemia nesta terça-feira à noite. O pais espera que a nova variante, detectada pela primeira vez na África do Sul, se torne predominante no país nórdico "o mais tardar em janeiro".

De acordo com o último balando do Centro Europeu para Prevenção e Controle de Doenças (ECDC), 212 casos foram confirmados com certeza nos 27 países da UE até o meio-dia de segunda-feira. A agência de saúde da União Europeia responsável pelas epidemias espera que a variante ômicron se torne predominante na Europa "nos próximos meses".

Vários países foram adicionados à lista de nações afetadas nos últimos dias, com os primeiros casos relatados na Argentina e nas Ilhas Fiji. A possibilidade de novas restrições às viagens também está de volta. As autoridades americanas pediram aos seus cidadãos na segunda-feira que evitem visitar uma dezena de países, incluindo França e Portugal, que estão entre os mais vacinados da Europa.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...