Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
AFP/Arquivos
Segurança
Incêndio na boate Kiss: Quase nove anos depois começa o julgamento; acompanhe ao vivo
Processo deve se estender até a metade de dezembro.
Rádio Guaíba
por  Rádio Guaíba
30/11/2021 21:03 – atualizado há 29 segundos
Continua depois da publicidadePublicidade

Começa nesta quarta-feira, em Porto Alegre, o julgamento dos réus do processo criminal referente a uma das maiores tragédias do país. Quase nove anos depois do incêndio que matou 242 pessoas e feriu mais de 630, em Santa Maria, na região Central do Rio Grande do Sul, os quatro réus vão a júri popular, em um processo que deve se estender até a metade de dezembro, tornando-se o mais longo da história do Poder Judiciário do Rio Grande do Sul.

Elissandro Callegaro Spohr, Mauro Londero Hoffmann, Marcelo de Jesus dos Santos e Luciano Bonilha Leão foram acusados pelo Ministério Público como os responsáveis pela tragédia na boate, ocorrida em 27 de janeiro de 2013. Os quatro respondem por homicídio simples (242 vezes consumados, pelo número de mortes; e 636 vezes tentados, pelo número de vítimas com lesões).

A partir das 9h, o juiz presidente do Tribunal do Júri, Orlando Faccini Neto, vai analisar pedidos formulados pelas partes e, em seguida, realizar o sorteio dos sete jurados que vão compor o Conselho de Sentença.

Na parte da tarde, serão ouvidos os primeiros sobreviventes. A previsão é que a sessão siga até às 23h. Na primeira fase, chamada de instrução plenária, que deve se estender por dias, devem ser ouvidos 14 sobreviventes, 19 testemunhas (5 arroladas pela acusação e 14 pelas defesas – sendo 5 de Elissandro, 5 de Mauro e 4 de Marcelo) e interrogados os 4 réus.

A segunda etapa compreende nove horas de debates orais, entre defesa e acusação. Por fim, os jurados darão o parecer final.

Testemunhas e jurados ficarão incomunicáveis, não tendo acesso a noticiários, redes sociais e telefones. Eles também não podem conversar entre si. Todos serão acompanhados por Oficiais de Justiça. A incomunicabilidade das testemunhas só se encerra depois que elas forem inquiridas, quando poderão voltar para casa. Os jurados seguem nessa condição até o fim do julgamento. As medidas, porém, não valem para os sobreviventes.

Acompanhe ao vivo:

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...