Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Divulgação
Economia
Exportações de carne suína crescem 11,9% em outubro
Média de embarques acima de 100 mil toneladas projeta segundo semestre recorde para o setor.
Assessoria/ABPA
por  Assessoria/ABPA
10/11/2021 14:42 – atualizado há 3 dias
Continua depois da publicidadePublicidade

As exportações de carne suína (considerando todos os produtos, entre in natura e processados) alcançaram em outubro 99,1 mil toneladas, de acordo com levantamentos feitos pela Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA). O dado supera em 11,9% o desempenho registrado no décimo mês de 2020, quando foram exportadas 88,5 mil toneladas.

O saldo em dólares das exportações de outubro chegou a US$ 217,9 milhões, resultado 9,3% maior que os US$ 199,4 milhões obtidos com os embarques no mesmo período do ano passado.

No acumulado do ano, as vendas de carne suína já se aproximam de 1 milhão de toneladas. Entre janeiro e outubro, foram embarcadas 967,9 mil toneladas, volume 13,4% maior que o registrado nos dez primeiros meses de 2020, com 853,4 mil toneladas.

O saldo é significativamente positivo também na receita das exportações, chegando a US$ 2,279 bilhões, desempenho 21,5% maior que o efetivado entre janeiro e outubro do ano passado, com US$ 1,876 bilhões.

“A média de embarques registrada até aqui no segundo semestre é histórica, acima de 100 mil toneladas, e projeta para o cumprimento da expectativa de um novo recorde de exportações de carne suína do Brasil, alcançando 1,1 milhão de toneladas”, avalia Ricardo Santin, presidente da ABPA.

Principais mercados — A China segue como principal destino das exportações de carne suína, com importação total de 481,9 mil toneladas entre janeiro e outubro, volume 13,9% superior ao registrado no mesmo período do ano passado. Outros destaques são o Chile, com 52,5 mil toneladas (+56,5%), Japão, com 11,3 mil toneladas (+19,1%) e EUA, com 9,7 mil toneladas (+43,4%).

“O status sanitário da produção brasileira de carne suína tem sido um diferencial competitivo no mercado internacional, colaborando para o suprimento em mercados cujas ofertas internas continuam sendo afetadas pela ocorrência de surtos de peste suína africana. Mesmo com o aumento das exportações — que contribuem para a redução dos impactos dos custos de produção — a disponibilidade de carne suína para o consumidor brasileiro segue em linha com a maior demanda verificada em nosso país neste ano de 2021”, avalia o diretor de mercados da ABPA, Luis Rua.

Rio Grande do Sul — Segundo a ABPA, o volume de carne suína embarcado pelo Estado em outubro foi de 24,23 mil toneladas. O resultado representa um aumento de 10,68% na comparação com o mesmo período de 2020, quando foram exportadas 21,89 mil toneladas. O valor total das vendas ao exterior alcançou os US$ 52,62 milhões, leve queda (0,85%) na comparação com os US$ 53,07 milhões alcançados em outubro do ano passado.

Nos dez primeiros meses do ano os dados têm balanço positivo. O Rio Grande do Sul embarcou 261,32 mil toneladas. O desempenho é 21,19% superior ao registrado no mesmo período de 2020, quando foram exportadas 215,63 mil toneladas. A receita cresceu 21,88%, passando de US$ 518,73 milhões para US$ 632,21 milhões de janeiro a outubro de 2021.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...