Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Economia
Compass vence leilão da Sulgás e pagará R$ 927,8 milhões pela estatal
Recentemente, a Compass também adquiriu, por R$ 2,03 bilhões, os 51% de participação que a Petrobras possuía na Gaspetro.
Jornal do Comércio
por  Jornal do Comércio
22/10/2021 15:54 – atualizado há 36 segundos
Continua depois da publicidadePublicidade

A empresa Compass, do Grupo Cosan, foi a vencedora do leilão de privatização da Companhia de Gás do Estado do Rio Grande do Sul (Sulgás) realizado na tarde desta sexta-feira (22), na bolsa de valores (B3), em São Paulo. Para assumir os 51% das ações que o governo gaúcho detém na distribuidora de gás natural (os outros 49% são da Gaspetro), o novo controlador apresentou a proposta de R$ 927,8 milhões, o lance mínimo do começo do certame. A informação é do Jornal do Comércio. 

Não houve outros interessados em apresentar ofertas pela empresa. Recentemente, a Compass também adquiriu, por R$ 2,03 bilhões, os 51% de participação que a Petrobras possuía na Gaspetro. De acordo com o edital do leilão da distribuidora gaúcha, o repasse da estatal para o novo controlador só acontecerá no próximo ano. A expectativa é que a homologação do resultado do certame ocorra em 18 de janeiro de 2022 e a assinatura do contrato de compra e venda das ações, em 11 de março.

Ainda segundo o documento, caberá ao comprador da companhia o ressarcimento de todos os custos incorridos pelo BNDES para a estruturação da desestatização da concessionária, até o limite de R$ 4,32 milhões. No edital, o governo cita entre as justificativas da privatização a meta de “fortalecer a cadeia de valor do gás natural no Estado em linha com as melhores práticas vigentes e dinâmica atual do mercado, fomentando a expansão da malha de distribuição de gás canalizado da Sulgás, melhorando, assim, as condições de acesso ao gás natural em termos de oferta de volume e tarifa”.

O coordenador do Grupo Temático de Energia e Telecomunicações da Fiergs, Edilson Deitos, acrescenta que a perspectiva com a distribuidora sob a direção de um grupo privado é que seja intensificada a busca de novas opções para o abastecimento de gás natural no Rio Grande do Sul, além do gasoduto Bolívia-Brasil (Gasbol). Atualmente, a estrutura tem potencial para alcançar até 2,8 milhões de metros cúbicos do combustível ao dia para alimentar o Estado, mas se encontra com a sua oferta praticamente toda contratada.

“Outra coisa que a gente espera é a prospecção de novas regiões (para o fornecimento de gás natural)”, adianta Deitos. O dirigente destaca ainda que os dividendos gerados pela distribuidora como estatal são pequenos frente ao potencial que se abre para o mercado de gás natural se a empresa tiver mais celeridade nos seus investimentos.

A capacidade insuficiente de aportes por parte do governo gaúcho, conforme o integrante da Fiergs, acabou barrando o crescimento da concessionária. Criada em 1993, a Sulgás apresentou no ano passado um lucro líquido de R$ 79,4 milhões, receita líquida de R$ 827,4 milhões e fechou dezembro com patrimônio líquido de R$ 190,1 milhões. O investimento realizado pela distribuidora em 2020 foi de cerca de R$ 41,5 milhões.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...