Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Agro
Com público focado, vendas de máquinas devem superar R$ 1 bilhão na Expointer
Neste ano, 85 marcas estão presentes no Parque Assis Brasil expondo seus catálogos a um público um pouco diferenciado em relação às edições anteriores.
Jornaldo Comércio
por  Jornaldo Comércio
09/09/2021 08:39 – atualizado há 4 meses
Continua depois da publicidadePublicidade

Após um 2020 longe de Esteio, máquinas e implementos agrícolas estão de volta à Expointer. A feira, ainda encarada como atípica pelos expositores devidos aos protocolos sanitários e limitação do número de visitantes, não repetirá o sucesso de 2019. Contudo, a expectativa do Sindicato das Indústrias de Máquinas e Implementos Agrícolas do Rio Grande do Sul (Simers) é que o volume de negócios ultrapasse R$ 1 bilhão até o final da 44ª edição.

Neste ano, 85 marcas estão presentes no Parque Assis Brasil expondo seus catálogos a um público um pouco diferenciado em relação às edições anteriores. A Expointer 2021 está marcada por ser uma feira essencialmente de negócios. Em meio a uma pandemia que se arrasta por quase 18 meses no Rio Grande do Sul, os visitantes diminuíram, sequer atingido o limite de 15 mil ingressos à disposição nesta primeira metade de evento.

Mais do que isso, o perfil de visitantes mudou. Os expositores de máquinas e implementos agrícolas têm recebido menos ‘curiosos’, pessoas de fora do ramo, que passeiam pelo parque e aproveitam a feira com família e amigos. Passam, agora, a lidar majoritariamente com empresários e investidores, que rumaram à Região Metropolitana de Porto Alegre para conhecer as novidades do setor, fazer contatos para compras futuras e até mesmo concretizar negócios.

“Quando o pessoal vem, vem bem focado no negócio. Nos outros anos, vinha mais gente, mas era um pessoal mais que queria saber como funcionava, não tinha tanto conhecimento. Hoje, o público é mais direcionado, mais centrado na compra”, relatou Matheus Antônio da Silva, gerente de marketing da Ipacol, fabricante de Veranópolis.

Quem também sentiu a alteração no perfil do público foi a Masal, fabricante de Santo Antônio da Patrulha. Segundo o gerente de vendas Paulo Reni, nos primeiros dias, “o movimento foi surpreendentemente bom de clientes, pessoas interessadas”. “Na minha visão, não teve tanto aquele público em geral, mas a frequência de cliente em potencial foi bem importante, o pessoal vem com uma busca mais dirigida”, afirmou ele.

Essa ‘busca dirigida’ já tem gerado resultados. Na primeira metade da Expointer, a Masal teve um volume de vendas que corresponde a aproximadamente 75% do volume registrado no mesmo período de 2019. Os números são positivos, visto que a expectativa da fabricante era ficar entre 50% e 60% do montante. Nesta edição, a Masal está lançando uma plataforma para elevação de caminhões e descarga de grãos, chamado informalmente de Tombador.

A feira é positiva também para a Ipacol. “O ano é atípico, ainda em pandemia, mas está sendo positivo para a gente. Já foram feitas algumas vendas até para fora do Rio Grande do Sul, uma delas para Brasília, mas a maioria tem sido aqui no Estado”, conta Matheus Antônio da Silva. A Ipacol vendeu cerca de 100 unidades de diferentes equipamentos, como vagão forrageiro misturador, escarificador hidropneumático e o distribuidor de adubos e calcários.

Quem também está presente na feira é a Verdes Vales, consorciada e revendedora da John Deere, Hamm, Wirtgen e outras marcas. Tales Barbosa, gerente geral de construção e pavimentação da empresa, avalia que “as vendas estão baixas, mas dentro das expectativas”. Até o quinto dia de evento, a Verdes Vales tinha fechado a negociação de 18 equipamentos.

Neste ano, o lançamento da John Deere fica por conta da pá-carregadeira 444G, que tem força de desagregação de 8 mil quilos, carga estática de tombamento de até 9,5 mil quilos e controle de patinagem.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...