Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Santa Catarina
Barriga solidária: mulher de 38 anos gera filho da irmã em Imbituba
Michelle foi barriga solidária e gerou o filho da irmã Manuella em Imbituba; 'bebê milagre', João Guilherme nasceu na última semana no Sul de SC
ND Mais
por  ND Mais
22/08/2021 18:59 – atualizado há 2 meses
Continua depois da publicidadePublicidade

O amor entre irmãs ganhou um novo significado para Manuella Fernanda Pereira de Oliveira Alves, de 36 anos, e Michelle de 38 anos de Imbituba. Isso porquê Michelle foi barriga solidária e gerou o filho da irmã, Manuella. João Guilherme, o ‘bebê milagre’, como ela chama, nasceu na última semana no Hospital Nossa Senhora da Conceição, em Tubarão.

A história de amor incondicional em família chamou a atenção da região Sul de Santa Catarina.

“Sempre fomos carinhosas uma com a outra e só aumenta a cada dia, o tratamento que ela tem com meu filho, com a minha família é de admiração. Sentimento de gratidão eterna. Tanto eu como meu marido somos gratos pela vida dela, por tudo que ela fez e continua fazendo por nós”, ressalta Manuella.

João Guilherme nasceu esta semana no Hospital Nossa Senhora da Conceição, em Tubarão – Foto: Divulgação/ND

Aos 17 anos, Manuella já namorava o hoje marido Carlos Alberto Alves Júnior, quando descobriu uma má formação no útero. Desta forma, ela sabia que não conseguiria ou teria muita dificuldade para gerar um bebê. Na época, ainda adolescente, ela não pensava nessa possibilidade.

“Ele passou por tudo junto comigo, a descoberta, dores, tudo. Com 30 anos começou a bater a vontade de ter um filho e aí sempre pedia a Deus que independente de como viesse meu filho, que eu tivesse ele. Entramos na fila de adoção, eu sabia que meu filho ia vir independente da forma, se fosse pela minha barriga, por útero de substituição (barriga solidária) ou adoção”, lembra Manuella.

A barriga solidária, ou útero de substituição, é um dos tratamentos feitos por mulheres que não conseguem engravidar por problemas de saúde.

Uma grata surpresa em 2018

A tão aguardada espera por um filho teve uma grata surpresa em 2018, quando Michelle chamou a irmã e disse que toparia ser barriga solidária para ela.

“Em 2018 a minha irmã veio conversar e disse que tinha falado com a família dela, com o marido, com os filhos, que não era só uma decisão dela, mas da família. E se prontificou a ser barriga solidária. Então em 2018 passamos a procurar clínicas para fazer o processo”, explica Manuella.

Ela encontrou uma clínica em que os médicos atendiam em Joinville, cidade em trabalha. Após as consultas, ela foi por duas vezes até o laboratório da clínica em São Paulo para a coleta do óvulo dela e posterior fertilização com o gameta do marido.

“Ficou congelado. Desde então ficou esperando a gente. Veio a pandemia e tivemos que esperar, mais um obstáculo. Aconteceu várias cosias, mas Deus toda vida dando força para gente, para superar cada obstáculo que ia aparecendo. Isso foi dando mais força para nós. Até que em novembro de 2020 fomos lá para fazer a transferência”
,
conta Manuella.

Procedimento é sucesso e João Guilherme é gerado

O procedimento foi um sucesso, e Michelle engravidou do filho da irmão. A gravidez foi tranquila, com todos os exames dando resultados bons. Michelle já tinha experiência já que tem dois filhos, um de 17 anos e uma menina de 1o anos.

“Eu só tinha um embrião e esse embrião, que a gente chama de guerreiro, que se transformou no nosso ‘bebê milagre’ que é o João Guilherme. Ele vingou e deu certo. Ele está aqui com a gente. A gravidez deu tudo certo. Foi uma gravidez muito boa, todos os exames tudo bom, tudo dentro da normalidade. Minha irmã sempre muito serena e calma. O parto foi maravilhoso”, destaca Manuella.

Ela agradece a todas as mensagens recebidas de carinho e, também, a toda a equipe do Hospital Nossa Senhora da Conceição pelo acolhimento. Já que logo após o nascimento de João Guilherme a equipe já entregou o bebê para que Manuella tivesse o primeiro contato.

“Foram maravilhosos com a gente. Acolheram de uma certa forma que nunca pensei que pudesse acontecer. Que é uma preocupação na hora do parto, como ia ser. Foi tudo perfeito, eles assim que meu filho nasceu deixaram comigo, pele a pele. Eu já consegui amamentar porque fiz todo um preparo. Já tenho o leite, então eu que estou amamentando meu filho”, comenta ela.

Michelle se recupera bem do parto e toda a família está reunida na casa da mãe das irmãs.

“Minha irmã está se recuperando bem, também. Está aqui com toda a família na casa da minha mãe que está cuidando dela, de mim e do João Guilherme. Estamos aqui muito unidos e babando agora no João Guilherme. Queria agradecer o carinho que estamos recebendo de muita gente ao redor do mundo, pelas energias positivas e ao meu marido por sempre estar junto comigo”, fala Manuella.

Manuella e Carlos agora vivem o sonho de serem pais – Foto: Divulgação/ND

Quanto ao sentimento de ter se tornado mãe, Manuella destaca que é impossível de se descrever. Agora ela e o marido vivem o sonho de serem pais.

“Sentimento com relação a ser mãe é de felicidade, plenitude. Estou encantada com meu filho. Sentimento de gratidão à Deus, tenho uma relação muito forte com ele pelo milagre da vida do João Guilherme. Uma felicidade assim olha, difícil de descrever. Eu pensava que isso era meio clichê, mas é verdade , é muito amor, muito amor por um serzinho tão pequenininho. Estamos muito felizes eu e meu marido”, finaliza Manuela.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...