Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Economia
Consumidor vai pagar mais caro pela energia elétrica em Santa Catarina
Conforme a Celesc, o reajuste será aplicado a partir do próximo domingo (22), até o dia 21 de agosto de 2022.
ClicRDC
por  ClicRDC
18/08/2021 09:54 – atualizado há 8 dias
Continua depois da publicidadePublicidade

A Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) homologou nesta terça-feira (17) o resultado da Revisão Tarifária Periódica da Celesc Distribuição e reajustou em 5,65% a tarifa de energia elétrica do consumidor catarinense. Conforme a Celesc, o reajuste será aplicado a partir do próximo domingo (22), até o dia 21 de agosto de 2022.

Foto: Julio Cavalheiro / Secom

Conforme informou a Celesc, o reajuste, abaixo das empresas de porte similar à Celesc e dos índices de inflação, se deve, além de outros fatores, à ação judicial promovida pela Companhia, que visou excluir o ICMS da base de cálculo do PIS/COFINS. A atuação diligente por parte da Distribuidora trouxe um crédito, que foi repassado em caráter extraordinário aos seus clientes, onde houve um alívio na conta de energia. A empresa ainda informou que caso não fosse realizado, neste momento, o repasse de valores decorrentes deste crédito, o efeito do reajuste na tarifa seria superior a 14%.

A tarifa paga pelo consumidor precisa cobrir os custos de geração, transmissão, distribuição, encargos setoriais e impostos. Os itens que mais impactaram para a composição da revisão foram os custos de aquisição de energia, os componentes financeiros e os encargos setoriais. Todos fazem parte da Parcela A, na qual a distribuidora não tem gerência ou gestão.

Destaca-se que os valores destinados a atividade da Distribuição (Parcela B), ou seja, que a Celesc recebe para a operação e manutenção do sistema elétrico, realização de investimentos em novas redes de energia e custeio das despesas operacionais representam apenas 0,91% do efeito médio do reajuste. A cada R$ 100,00 pagos pelo consumidor, R$ 14,50 ficam com a Empresa para custear operações e realizar investimentos. O restante é repassado para outros agentes do Setor Elétrico.

Nos últimos dois anos (2019 e 2020), o efeito médio ao consumidor residencial, que representa cerca de 80% dos clientes da Celesc, foi de – 2,79%. Com o reajuste em 2021, de 5,19%, observa-se que, nos últimos três anos, para este grupo de consumidores (residenciais), o reajuste Celesc foi de 2,26%, bem abaixo dos indicadores inflacionários e de outras empresas de distribuição do setor elétrico.

Segundo a Companhia, a tarifa residencial da Celesc permanece em patamar inferior ao dos dois principais índices de inflação: IPCA e IGP-M. Se comparados os principais reajustes acumulados dos últimos 12 meses (agosto de 2020 a julho de 2021), com outros itens de produtos e serviços, medidos pelo IPCA, a tarifa tem um efeito médio abaixo da inflação. A variação acumulada da gasolina, por exemplo, foi de 39,65% e do gás de botijão foi de 29,29%. Analisando as demais distribuidoras do país que já tiveram reajustes em 2021, a média publicada pela ANEEL foi de 8,95%.

A comparação do efeito na tarifa e da evolução dos principais preços na economia pode ser visualizada na figura a seguir:

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...