Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Economia
MP que muda regras de comercialização de combustíveis surpreende setor
Governo federal quer aumentar a competição e diminuir preços com a medida
Agência Brasil
por  Agência Brasil
11/08/2021 18:27 – atualizado há 1 mês
Continua depois da publicidadePublicidade

A Medida Provisória (MP), assinada pelo presidente Jair Bolsonaro nessa quarta-feira (11), que faz alterações na Lei nº 9.478/1997, a Lei do Petróleo, e permite que o produtor (usineiro) ou o importador possa comercializar etanol hidratado diretamente com os postos de combustíveis, sem passar pelas distribuidoras, apanhou o setor desprevenido. Outra mudança é a possibilidade de um estabelecimento com bandeira (como Ipiranga, BR e demais) vender combustíveis de outras procedências, desde que o consumidor seja informado disso. Hoje, para ser embandeirado, o posto precisa fidelizar a sua operação com uma distribuidora específica.

O governo federal justificou a adoção da iniciativa alegando que as mudanças incentivam a competição e têm o potencial de reduzir os preços dos combustíveis. O presidente do Sindicato Intermunicipal do Comércio Varejista de Combustíveis e Lubrificantes no Rio Grande do Sul (Sulpetro), João Carlos Dal’Aqua, admite que foi uma surpresa esses assuntos terem sido tratados na forma de medida provisória.

O dirigente salienta que o argumento do governo para a ação é baixar o preço dos combustíveis. “Mas, a gente não enxerga de onde vêm esses cálculos”, comenta Dal’Aqua. Para o integrante do Sulpetro, a questão precisaria ser melhor debatida.

A Associação Brasileira dos Revendedores de Combustíveis Independentes e Livres (AbriLivre) comemorou a postura do governo federal. “Esta medida é um grande passo para garantir a livre iniciativa, a livre concorrência e a queda nos preços, mas juntamente com a bomba não exclusiva deve haver uma regulamentação dos contratos de exclusividade (entre postos e distribuidoras)”, defende o diretor executivo da Abrilive, Rodrigo Zingales. Ele considera que não é admissível a perpetuidade dos contratos de exclusividade a partir de prazos superiores a cinco anos.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...