Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Rio Grande do Sul
Comitê de Atenção ao Coronavírus da AMAU avalia novo Decreto do Estado
Mudanças levam em consideração melhora do cenário e alcançam especialmente setor de ensino. Apesar disso, é preciso manter os cuidados, alerta o Comitê
Salus Loch/Assessoria AMAU
por  Salus Loch/Assessoria AMAU
10/08/2021 17:08 – atualizado há 2 meses
Continua depois da publicidadePublicidade

Na tarde de segunda-feira, 9, o Governo do Estado, por meio do Sistema 3As, publicou o Decreto nº 56.025/2021 sobre as ações de enfrentamento à pandemia do novo coronavírus. O documento altera o Decreto nº 55.882, de 15 de maio de 2021, que institui o Sistema de Avisos, Alertas e Ações para fins de monitoramento, prevenção e enfrentamento à pandemia da COVID-19, reiterando a declaração de estado de calamidade pública em todo o território estadual.

De posse da nova documentação, o Comitê Regional de Atenção ao Coronavírus da AMAU fez uma análise para verificar as medidas de prevenção e enfrentamento. Conforme explica o membro do Comitê, Jackson Arpini, várias ações continuam vigentes, sendo que o texto trata mais detalhadamente de mudanças na área da educação – observando os indicadores, que sinalizam uma melhora no cenário estadual.

O que muda

O novo Decreto estabelece alterações em relação ao distanciamento em sala de aula, que antes era de 1,5 metros entre classes e carteiras ou similares, passando a ser 1 metro entre as pessoas em ambientes fechados.

Dois pontos importantes

Na região, considerando o boletim do dia 9, foram sistematizados 207 casos ativos para a R 16, sendo que as taxas de ocupação das estruturas hospitalares estão em patamares baixos, fato que aponta para uma melhora na comparação com os meses anteriores. Segundo o Comitê da AMAU, apesar dos indicadores positivos, ainda não é hora de relaxar, uma vez que a pandemia não acabou e novas variantes começam a aparecer.

Para Jackson Arpini, a R16 está melhorando em dois pontos importantes: casos ativos, taxas de ocupação e óbitos, além da ampliação da cobertura vacinal, com primeira, segunda ou dose única. “Prevenção, que deve permanecer, e imunização, que está avançando bem, são fatores determinantes nesse momento”, completa Arpini.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...