Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Saúde
Anvisa cancela estudo clínico para a vacina indiana Covaxin no Brasil
Após avaliação técnica, a agência decidiu nesta segunda-feira a suspensão definitiva do pedido feito pela empresa Precisa.
Rádio Guaiba
por  Rádio Guaiba
26/07/2021 21:21 – atualizado há 1 mês
Continua depois da publicidadePublicidade

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) publicou nesta segunda-feira o cancelamento definitivo do estudo clínico da vacina Covaxin, solicitado pela empresa Precisa Comercialização de Medicamentos Ltda.

A decisão decorre da avaliação técnica de que o fim da autorização da empresa Precisa para representar a vacina no país inviabiliza o cumprimento da normativa que trata da condução dos estudos clínicos de vacinas no país.

A agência já havia suspendido o estudo de forma cautelar na última sexta, após a comunicação sobre o rompimento de representação entre a empresa Precisa Comercialização de Medicamentos Ltda e o laboratório indiano Bharat Biotech, sediado na Índia. Com a confirmação das informações, a resolução que autoriza o estudo clínico fica cancelada.

Investigações

A Bharat Biotech é a produtora da Covaxin. Em 25 de fevereiro, o Ministério da Saúde fechou contrato de R$ 1,6 bilhão com a Precisa, que vinha representando a Bharat, para compra de 20 milhões de doses da vacina. A aquisição do imunizante é alvo de múltiplas investigações por suspeita de irregularidades e corrupção, que ganharam novo impulso com denúncia do chefe da divisão de importação no departamento de logística do Ministério da Saúde, Luis Ricardo Miranda, que denunciou ter sofrido “pressão anormal” para liberar a importação do imunizante.

Alvo da CPI da Covid, da Polícia Federal (PF), do Ministério Público Federal (MPF), da Controladoria-Geral da União (CGU) e do Tribunal de Contas da União (TGU), o contrato acabou suspenso pelo Ministério da Saúde em 29 de junho, após recomendação da CGU. A Precisa garante que “jamais praticou qualquer ilegalidade”.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...