Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Segurança
Desaparecimento de mulher tem desfecho surpreendente em Blumenau
Rosana Severino, 53, ficou trancada dentro da empresa onde trabalha por mais de 12 horas.
NSCTotal
por  NSCTotal
21/07/2021 14:10 – atualizado há 1 mês
Continua depois da publicidadePublicidade

Nem a família de Rosana Severino, 53 anos, consegue acreditar no que aconteceu. A mulher “desapareceu” em Blumenau nesta terça-feira (20), quando saía do trabalho. Depois de quase 15 horas de desespero, procura em todos os cantos possíveis do município e muita angústia, o desfecho surpreendeu: Rosana, na verdade, sequer saiu da empresa. Ela ficou trancada na empresa ao ir ao banheiro.

Rosana foi "esquecida" dentro de empresa de Blumenau(Foto: Arquivo Pessoal)

Aliviada, Talana da Silva, uma das filhas, conta que a mãe trabalha em uma pequena empresa no bairro Passo Manso. Sempre quando o expediente encerra, perto das 15h, antes de acelerar o passo em direção ao ponto de ônibus, Rosana costuma ir ao banheiro e avisar às demais — justamente por medo de ficar presa. Nesta terça, porém, ela não alertou à chefe, que não percebeu que havia uma funcionária no interior do imóvel, fechou o local e a deixou para trás.

Como a mulher não chegou em casa no horário, duas filhas que moram com ela e o marido começaram a se preocupar. Não demorou muito para a família se mobilizar atrás de Rosana. Um boletim de ocorrência foi registrado, publicações nas redes sociais foram compartilhadas, conhecidos passaram a circular de carro pela região da Água Verde e Indaial. Pelas imagens de câmeras de segurança, as filhas tentaram visualizar se a mãe fora raptada antes de embarcar no ônibus. Hospitais e até o Instituto Geral de Perícias foram visitados.

— Passou tudo pela nossa cabeça, menos o óbvio. Ninguém pensou em ir até a empresa. Parece piada, nem a gente acredita que isso aconteceu! — diz Talana.

Rosana não costuma levar o celular ao trabalho e não conseguiu telefonar para ninguém. Sem outra alternativa de contato, decidiu esperar até as 5h desta quarta-feira (21), quando a chefe abriu o local.

— Parece que a encarregada até chorou ao ver minha mãe. A gente se sente culpado, mas é algo que pode acontecer. Fica de exemplo para outras empresas menores — reflete a filha.

Diferente da família, que passou a noite em claro em busca de uma resposta, Rosana foi para casa disposta, cheia de energia para colocar em dia os afazeres de casa. Final feliz. E cômico.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...