Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Economia
Puxada pela alta da energia elétrica, inflação brasileira fica em 0,53% em junho e atinge 8,35% em 12 meses
A variação acumulada em 12 meses é a maior desde setembro de 2016 (8,48%).
O Sul
por  O Sul
08/07/2021 13:57 – atualizado há 2 meses
Continua depois da publicidadePublicidade

Puxada pela alta da energia elétrica, o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) – a inflação oficial do País – ficou em 0,53% em junho, após ter registrado taxa de 0,83% em maio, conforme divulgou nesta quinta-feira (08) o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

“Esse é o maior resultado para o mês desde junho de 2018 (1,26%). Com isso, o indicador acumula alta de 3,77% no ano e 8,35% nos últimos 12 meses”, informou o IBGE.

A variação acumulada em 12 meses é a maior desde setembro de 2016 (8,48%). A mediana das projeções de 38 instituições ouvidas pelo Valor Data era de alta de 0,59% no mês e de taxa de 8,41% em 12 meses.

Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Energia elétrica foi novamente a vilã

Dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados, oito tiveram alta em junho. O maior impacto veio do grupo habitação (1,10%), principalmente, por causa da energia elétrica (1,95%).

Embora tenha desacelerado em relação ao mês anterior (5,37%), a conta de luz teve o maior impacto individual no índice do mês, respondendo por 0,09 ponto percentual do IPCA de junho.

Meta de inflação e perspectivas

A meta central do governo para a inflação em 2021 é de 3,75%, e o intervalo de tolerância varia de 2,25% a 5,25%. Para alcançá-la, o Banco Central eleva ou reduz a taxa básica de juros da economia (Selic), que está atualmente em 4,25% ao ano.

A expectativa do mercado financeiro para a inflação de 2021 foi elevada na semana passada para 6,07%, segundo a pesquisa Focus do Banco Central. Com isso, a projeção dos analistas segue cada vez mais acima do teto do sistema de metas. Se confirmado o resultado, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, terá de redigir uma carta aberta explicando os motivos para o descumprimento da meta.

Já a expectativa para a taxa Selic no fim do ano segue em 6,50%, o que pressupõe que haverá novas altas nos próximos meses. Para 2022, o mercado financeiro estima uma inflação de 3,77%. No ano que vem, a meta central de inflação é de 3,5% e será oficialmente cumprida se oscilar de 2% a 5%.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...