Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Rio Grande do Sul
Justiça Federal determina que indígenas gaúchos sejam prioritários em vacinação contra Covid-19
Ação do Ministério Público Federal pede que imunização não se restrinja aos aldeados, mas também aos que vivem nas cidades.
Rádio Guaíba
por  Rádio Guaíba
30/06/2021 18:57 – atualizado há 2 meses
Continua depois da publicidadePublicidade

A 9ª Vara Federal de Porto Alegre determinou que a União inclua todos os indígenas residentes no Rio Grande do Sul no grupo prioritário para a vacinação contra a Covid-19. A medida abrange aqueles que vivem em contexto urbano e também os que não fazem parte do cadastro oficial. A liminar é da juíza federal Clarides Rahmeier. Cabe recurso da decisão.

Foto: Cesar Lopes / PMPA

O Ministério Público Federal ingressou com ação contra a União e o Estado com o objetivo de assegurar a imunização dos indígenas que vivem nas cidades, da mesma forma que os aldeados, que já se imunizaram. O MP sustentou haver estudos confirmando que as especificidades imunológicas fazem todos os indígenas particularmente suscetíveis ao novo coronavírus.

O Estado se defendeu pontuando que é atribuição do Ministério da Saúde a elaboração do Programa Nacional de Imunização (PNI), cabendo aos entes da Federação somente a execução. No caso dos indígenas, o Plano Nacional atribuiu prioridade na vacinação apenas aos que vivem em terra indígena.

Já a União esclarece que atualmente a Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) atua na coordenação e execução da Política Nacional de Atenção à Saúde dos Povos Indígenas e em todo o processo de gestão do Subsistema de Atenção à Saúde Indígena (SasiSUS) no Sistema Único de Saúde (SUS). Alegou, assim, que a competência da Sesai é restrita a atendimentos em aldeias e que os povos indígenas em zonas urbanas podem acessar a rede de saúde.

A magistrada destacou que a proteção conferida aos indígenas não se restringe à região em que eles vivem. “Não é possível, em âmbito operacional de política pública voltada à saúde, realizar distinções discriminatórias e não amparadas em elementos técnicos para priorizar a imunização de indígenas aldeados em descompasso com aqueles que vivem em zona urbana ou rural, não aldeados”, afirmou.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...