Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Educação
Assembleia Legislativa aprova projeto que autoriza ensino domiciliar no RS
Agora, o texto vai ser encaminhado ao governador Eduardo Leite, que decide pela sanção ou veto.
Rádio Guaíba
por  Rádio Guaíba
08/06/2021 19:00 – atualizado há 3 meses
Continua depois da publicidadePublicidade

Após dois anos de tramitação, a Assembleia Legislativa aprovou, em sessão híbrida nesta terça-feira, o projeto que regulamenta o ensino domiciliar (homeschooling) no Rio Grande do Sul. A proposta, de autoria do deputado Fabio Ostermann (Novo), recebeu 28 votos a favor e 21 contra.

De acordo com o texto, nesta modalidade o ensino das crianças e adolescentes fica sob o encargo dos pais ou responsáveis. Entre as justificativas, Ostermann alega que o Supremo Tribunal Federal (STF) não veda a prática do homeschooling, desde que haja uma regulamentação que estabeleça critérios e parâmetros, além de direitos e deveres das famílias que optarem pelo ensino doméstico, a fim de garantir o desenvolvimento dos estudantes.

“Trata-se de uma questão de liberdade de escolha. As escolas seguirão cumprindo seu papel, mas precisamos garantir segurança jurídica para aqueles que optam por assumir a responsabilidade da educação dos seus filhos. O homeschooling já é um fato social em todo o Brasil, mas ainda é alvo de preconceito e represálias. Cabe a nós garantirmos que a educação domiciliar aconteça dentro da lei”, defendeu o parlamentar.

Além disso, o projeto prevê que as famílias que optarem pelo ensino doméstico devam manter um registro atualizado das atividades pedagógicas desenvolvidas e comprovar o aprendizado, com avaliações periódicas aplicadas pelo sistema regular de ensino.

Agora, o texto vai ser encaminhado ao governador Eduardo Leite, que decide pela sanção ou veto.

Discussão

A suposta ilegalidade da proposta esteve na base da discussão no plenário. No entendimento dos deputados contrários, a medida é inconstitucional, já que os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiram, em novembro de 2018, não reconhecer o ensino domiciliar.

“O ensino domiciliar não é um direito público subjetivo do aluno ou da família. Porém não é vedada a constitucionalidade da sua criação, por meio de Lei Federal, editada pelo Congresso Nacional”, de acordo com trecho do recurso extraordinário do STF, destacado pela deputada Juliana Brizola (PDT).

A parlamentar também afirmou que “o próprio governo federal, que é favorável a essa matéria no mérito, entende que a normatização do ensino domiciliar no Brasil passa pela alteração da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) e do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA)”.

Já o deputado Sérgio Turra (PP), relator da proposta na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), discorda. Para ele, “a medida trata-se de um direito”, já que a Constituição Federal estabelece que é um “dever dos pais e do Estado” fornecer educação. “A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) fala, em mais de uma vez, sobre a liberdade. Tá na LDB a liberdade de optar”, pontuou o parlamentar.

Homeschooling no Brasil

Atualmente, apenas o Distrito Federal regulamentou a modalidade de ensino utilizada por aproximadamente 20 mil famílias no país. No entanto, nas Assembleias Legislativas de Minas Gerais e São Paulo, além da Câmara Municipal de Vitória (ES), também foram aprovados projetos similares.

Em território gaúcho, a estimativa é de que mil famílias pratiquem a educação domiciliar. Também conhecida como homeschooling, a modalidade é autorizada em 64 países, entre os quais os Estados Unidos, Inglaterra, Dinamarca, Nicarágua, Bolívia e México.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...