Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Divulgação
Agro
Na Semana do Meio Ambiente, evento virtual aborda erva-mate
A atividade, transmitida pelo YouTube, faz parte do Programa Gaúcho para a Qualidade e Valorização da Erva-mate.
Assessoria
por  Assessoria
04/06/2021 21:02 – atualizado há 1 ano
Continua depois da publicidadePublicidade

Fazendo parte das comemorações da Semana do Meio Ambiente, foi realizado nesta sexta-feira (04) o evento virtual “Erva-mate: conservação e uso”, promovido pela Emater/RS-Ascar, secretarias estaduais da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural e do Meio Ambiente e Infraestrutura e Embrapa Florestas. A atividade, transmitida pelo YouTube, faz parte do Programa Gaúcho para a Qualidade e Valorização da Erva-mate.

Na oportunidade, o pesquisador da Embrapa Florestas, Marcos Wrege apresentou o Projeto Araucamate, que se trata de um projeto multidisciplinar, envolvendo as áreas de conservação, clima, solo, sistemas de informações geográficas, dendrocronologia (somente araucária) e bioquímica (somente erva-mate). “Foram feitas expedições a áreas estritamente conservadas (geralmente Florestas Nacionais - Flonas), visando caracterizar o material genético das populações da região (e não de material proveniente de outras regiões) e relacionar as características genéticas destes materiais com os parâmetros de clima e de solo da região, bem como os compostos bioquímicos presentes nas folhas de erva-mate, tais como cafeína, teobromina, fenólicos, cinzas e proteínas, além dos elementos N, P, K, importantes para as indústrias de fármacos e de cosméticos, assim como a própria atividade de ervateria em si”, explicou.

As coletas de amostras, segundo o pesquisador, foram feitas nas Flonas de Passo Fundo e de São Francisco de Paula (RS), municípios de Machadinho e de Pelotas, Canguçu, Santana da Boa Vista (RS), Quatro Barras (PR), divisas entre São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro (Parque Nacional do Itatiaia e Laguna Caarapã (MS).

Já a pesquisadora da Embrapa Florestas, Elenice Fritzsons, falou sobre a conservação e o melhoramento genético da erva-mate, baseada em grupos climáticos, trabalho esse que resultou em um artigo publicado na revista Scientia Forestalis, em dezembro de 2020. “O clima afeta diretamente a vegetação, a curto prazo na sobrevivência das espécies e, a longo prazo, o clima exerce uma força seletiva que afeta a distribuição das espécies e o genótipo das populações”, esclareceu. Ela disse que o objetivo do trabalho foi identificar e caracterizar grupos de clima homogêneos onde ocorre, naturalmente, a erva-mate na região Sul do Brasil.

Elenice salientou que, considerando as mudanças climáticas, deve-se identificar novas zonas de adaptação para a erva-mate no futuro, visto que em toda a região estudada a erva-mate não é limitada pelas baixas temperaturas, mas pelas mais elevadas. “Assim, a área de ocorrência natural seria reduzida, considerando o aquecimento global”, finalizou.

A abertura do evento contou com a participação de representantes das entidades promotoras, sendo o pesquisador Jackson Freitas representando a Seapdr, o biólogo e chefe da Divisão de Flora do Departamento de Biodiversidade, Davi Chemello, representando a Sema, o extensionista Ilvandro Barreto de Melo, representando a Emater/RS-Ascar, e o pesquisador Ives Goulart, representando a Embrapa Florestas. O evento teve como mediador o extensionista da Emater/RS-Ascar, Antônio Borba.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE