Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Educação
Projeto da UFRGS com IGP busca desenvolver novos materiais para trabalho de papiloscopia
Universidade estuda tecnologia nacional para produção de pós de revelação de impressões digitais, hoje 100% importados no Brasil.
Ascom IGP
por  Ascom IGP
03/06/2021 10:42 – atualizado há 7 meses
Continua depois da publicidadePublicidade

Ao chegar a uma cena de crime, a missão do o papiloscopista é encontrar, nas muitas superfícies que possam ter sido tocadas, pistas que comprovem a participação do criminoso. O trabalho de alta técnica desse profissional deve ganhar um importante aprimoramento para ampliar o sucesso e a qualidade na obtenção de provas periciais essenciais ao esclarecimento de crimes. Um projeto do Instituto-Geral de Perícias (IGP) e da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) pretende desenvolver novos pós reveladores que, espalhados sobre as superfícies, permitem visualizar impressões digitais deixadas no local.

O projeto começará estudando a sílica, um resíduo orgânico que surge após o processamento do arroz. A ideia é aproveitá-la e misturá-la a elementos magnéticos, dando origem a um novo produto. O magnetismo ajuda a depositar o pó no objeto com o mínimo de contato, preservando a digital que precisa ser revelada. Para melhorar o contraste e a definição das impressões digitais, o estudo incorporará o uso de corantes fluorescentes – até agora, pós reveladores com essa característica só eram utilizados em laboratório, pois exigem luzes e filtros especiais para revelar a imagem.

Pó aplicado atualmente para revelar impressões digitais é importado - Foto: Divulgação IGP

O IGP vai participar dos testes analisando as superfícies em que o novo material pode ser aplicado e o seu desempenho. O produto a ser desenvolvido deve aumentar as possibilidades de revelação das impressões digitais em locais de crime e também na Seção de Revelação de Latentes, do Departamento de Identificação do IGP.

Em 2020, a Seção periciou objetos, como garrafas pet, latas de bebidas, elementos de munição e veículos, referentes a 355 investigações de todo o Estado. “As características das superfícies, com porosidades e cores diferentes, bem como a composição residual da pele definem a técnica e metodologia a ser utilizada. Com a pesquisa, teremos mais opções para ampliar as chances de êxito na detecção da prova papiloscópica”, afirma a papiloscopista Crisle Dillenburg, responsável pelo projeto no IGP.

Redução de custos

Atualmente, todos os pós reveladores usados pela perícia criminal no Brasil são importados. Uma empresa americana domina o mercado mundial. O desenvolvimento de novos materiais também deve ajudar a reduzir a dependência do mercado estrangeiro e diminuir custos. “Ao final do projeto, empresas ou startups poderão começar a produção em larga escala”, afirma a professora do Instituto de Química da UFRGS e uma das coordenadoras do projeto, Leandra Campo.

A proposta também carrega um importante benefício ambiental. A sílica leva cinco anos para se decompor. Neste processo, acaba gerando gás metano e contribuindo para o efeito estufa na atmosfera. “Queremos aproveitar esse resíduo, que existe em abundância aqui no Estado, mas outros produtos, como à base de açúcar e de celulose, por exemplo, também serão testados”, informa a professora.

O projeto “Materiais híbridos magnético-fluorescentes: síntese e aplicação de reveladores de impressões digitais” é um dos 17 vencedores de um edital lançado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e pela Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp), do Ministério da Justiça e da Segurança Pública (MJSP), para desenvolvimento das ciências forenses no país. O financiamento, de R$ 400 mil, prevê quatro anos de pesquisa nos Institutos de Química e Física da UFRGS.

A proposta foi uma das primeiras aprovadas pela Comissão de Pesquisa do IGP, criada em 2020 com o objetivo de analisar projetos de estudo científico que envolvam o órgão. O Instituto Nacional de Identificação (INI) e o Instituto de Identificação da Polícia Federal também são instituições associadas. “A ampliação da pesquisa científica, em uma instituição baseada na ciência, além da qualificação, permite o crescimento da instituição no cenário forense” afirma Crisle.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...