Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Segurança
Adolescente se passa por médica no Hospital Celso Ramos em Florianópolis
A jovem usava crachá falso e um jaleco com o próprio nome bordado.
NSCTotal
por  NSCTotal
02/06/2021 14:37 – atualizado há 4 meses
Continua depois da publicidadePublicidade

Uma adolescente foi apreendida ao tentar se passar por médica residente no Hospital Governador Celso Ramos, em Florianópolis, na tarde desta segunda-feira (31). A jovem usava um crachá falso da Secretaria de Estado de Saúde (SES) e um jaleco com o próprio nome bordado. As informações são da Polícia Militar, divulgadas pelo NSCTotal.

Segundo o comandante do 4º Batalhão de Polícia Militar em SC, tenente-coronel Dhiogo Cidral de Lima, uma guarnição foi até o hospital e encontrou a jovem, de 17 anos, uniformizada como profissional da saúde. Ela foi abordada e teve seus documentos de identificação, além de documentos que portava, como um receituário e materiais de outra médica do hospital, apreendidos.

Após ser detida, a PM entrou em contato com uma irmã da jovem, que apresentou-se como responsável. A familiar teria relatado aos policiais que a adolescente sofre problemas psiquiátricos e que já havia tentado se passar por uma modelo, em 2020.

Procurada pela reportagem, a Secretaria de Estado da Saúde, responsável pela administração do Celso Ramos, informou que foi a própria direção do hospital quem acionou a polícia após perceber a farsa, nesta segunda. Por meio de nota, a pasta também disse que a "questão segue agora sob investigação das autoridades competentes".

Segundo informações, a jovem se identificou como estudante aos demais residentes da unidade hospitalar e disse que chegou a Florianópolis através de uma transferência de São Paulo. Ela também teria dito, para outros funcionários, que era aluna de instituições de graduação em Santa Catarina.

A reportagem não conseguiu confirmar se a jovem é a mesma pessoa identificada no crachá, ou se apenas usava um nome falso. Após registro de ocorrência por atos infracionais de falsidade ideológica e exercício ilegal da medicina, a adolescente foi entregue a uma familiar e liberada.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...