Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Rio Grande do Sul
Fiocruz alerta para alta da covid-19 em Porto Alegre e no RS
Instituição aponta que reabertura precoce deve agravar internações e mortes em níveis altos nas próximas semanas.
Correio do Povo
por  Correio do Povo
28/05/2021 21:40 – atualizado há 3 meses
Continua depois da publicidadePublicidade

O Rio Grande do Sul e Porto Alegre estão entre os principais alertas do boletim InfoGripe da Fundação Fiocruz, divulgado nesta sexta-feira. Conforme a instituição, a forte alta nos registros de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) indicam uma retomada de patamares altos de internações em UTIs e mortes por Covid-19 nas próximas semanas.

A análise é referente à Semana Epidemiológica (SE) 20, período de 16 a 22 de maio. Cerca de 96% dos casos de SRAG com resultado laboratorial positivo são devido ao coronavírus.

“Amazonas, Mato Grosso do Sul e Rio Grande do Sul apresentam sinal forte (prob. > 95%) de crescimento na tendência de longo prazo até a SE 20. Alagoas, Distrito Federal, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Paraíba, Pernambuco, Paraná, Santa Catarina, São Paulo e Tocantins apresentam sinal moderado (prob. > 75%) de crescimento na tendência de longo prazo”, observou o pesquisador Marcelo Gomes, coordenador do InfoGripe.

Em Porto Alegre, Curitiba e Palmas, segundo o relatório, há sinal forte de crescimento na tendência de longo prazo, conforme a Fiocruz. De acordo com o boletim, 11 das 27 capitais apresentam sinal de crescimento até a SE 20. Além da capital gaúcha, Campo Grande (MS), Cuiabá (MT), Curitiba (PR), Goiânia (GO), João Pessoa (PB), Maceió (AL), Manaus (AM), Palmas (TO), Salvador (BA), São Paulo (SP). Fortaleza (CE) e Vitória (ES). Apenas quatro capitais apresentam sinal de queda: Aracaju (SE), Boa Vista (RR), Macapá (AP) e Teresina (PI).

Conforme a Fiocruz, tanto os sinais de estabilização quanto a retomada do crescimento de casos estão ocorrendo em patamares elevados, similares aos piores momentos de 2020 e início de 2021. “Os dados apresentados devem ser utilizados em combinação com os demais indicadores relevantes, como a taxa de ocupação de leitos das respectivas regionais de saúde, por exemplo. O estudo sinaliza que o cenário atual está associado à retomada das atividades de maneira precoce", frisou Gomes.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...