Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Economia
Intenção de Consumo das Famílias avança pouco em maio e não recupera a perda recente
Piora da pandemia e fatores conjunturais conferem resistência a uma retomada consistente do consumo.
Assessoria/Fecomércio
por  Assessoria/Fecomércio
27/05/2021 13:50 – atualizado há 8 meses
Continua depois da publicidadePublicidade

A pesquisa de Intenção de Consumo das Famílias Gaúchas (ICF-RS) teve um crescimento marginal de 1,0% no mês de maio de 2021. É o que mostram os dados divulgados nesta quinta-feira, dia 27, pela Fecomércio-RS. A pesquisa trouxe o índice ao nível de 58,8 pontos, ainda bastante distante do nível de maio de 2020, quando registrava 77,0 pontos já sobre os primeiros efeitos da crise e também inferior à março de 2021 quando houve um recrudescimento da pandemia.

Embora praticamente todos os indicadores apresentem profundas quedas em relação ao mesmo mês de 2020, a edição de maio trouxe variações positivas, ainda que pequenas, especialmente nas avaliações de renda e emprego que já superam o patamar de março de 2021. O indicador de Segurança do Emprego atual teve aumento de 3,1% no mês e atingiu os 72,4 pontos. Em maio de 2020 esse nível era de 103,8 pontos. O percentual de pessoas que responderam estarem menos seguras em relação a sua situação no emprego frente ao mesmo período do ano anterior foi de 39,5% em maio de 2021, o que representou uma melhora ante o mês de abril de 2021 em que esse percentual marcou 42,0%.

A renda atual cresceu 1,1% na passagem do mês, trazendo o indicador para o nível de 84,9 pontos. Este foi um dos aspectos que foram mais sensíveis aos primeiros efeitos da crise no ano de 2020 e, portanto, a queda em relação ao mês de maio de 2020 foi de apenas 2,5%, embora esse resultado seja bastante distante dos níveis pré-pandemia.

Os indicadores de consumo apresentaram piora no nível de consumo atual e no momento para a aquisição de duráveis, tendo sido o acesso ao crédito o único componente positivo deste aspecto. Embora os pesquisados tenham relatado aumento de renda, a pressão inflacionária reduz a renda real, fazendo com que os indivíduos fiquem mais cautelosos para consumir. Ainda, no que se refere à melhora do acesso ao crédito, a iminente ameaça de alta das taxas básicas de juros da economia impossibilita determinar qual será a tendência do efeito deste indicador nos próximos meses sobre os consumidores.

As expectativas de avanço da vacinação trazem melhoras nas perspectivas de emprego e consumo. Entretanto, estes dois indicadores são os de menor nível de todos os sete componentes do ICF-RS, algo que reflete o ambiente de forte incerteza da economia que impede os indivíduos de terem uma percepção mais clara acerca do futuro. "A intenção de consumo das famílias continua bastante deprimida. É fundamental que avancemos na vacinação de modo que se diminua o nível de incerteza e, consequentemente, se consolide o processo de abertura da economia. Só assim a confiança vai ser resgatada", comentou o presidente da Fecomércio-RS, Luiz Carlos Bohn.

Veja aqui a análise completa do ICF-RS.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...