Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Educação
Piratini estuda tomar medidas administrativas e judiciais para garantir retorno de aulas presenciais
Municípios gaúchos suspenderam retorno as escolas após registrar aumento de casos de coronavírus.
Rádio Guaíba
por  Rádio Guaíba
18/05/2021 23:37 – atualizado há 4 meses
Continua depois da publicidadePublicidade

O governo do Estado estuda que medidas tomar para garantir a retomada das aulas presenciais no Rio Grande do Sul. Foi o que disse, durante uma live, nesta terça-feira, o governado Eduardo Leite.

De acordo com o chefe do Executivo gaúcho, ainda não há uma definição de caminho a ser tomado, tanto na esfera administrativa quanto judicial. No entendimento do governador, “não é compreensível que prefeitos admitam outras atividades e abram mão de ter as crianças cuidadas e estimuladas em escolas”, citando a Educação infantil como exemplo. De acordo com Leite, essa modalidade de ensino se equipara a um serviço de saúde, no qual se garante alimentação e estímulo para o desenvolvimento motor e cognitivo.

As aulas presenciais foram autorizadas a retomar após o governo colocar todo o território gaúcho em bandeira vermelha, em 27 de abril. A partir de 3 de maio, as escolas passaram a retomar às atividades de forma escalonada.

Sistema 3As

Durante a coletiva de imprensa, o governador também explicou, de maneira detalhada, os motivos que levaram as regiões de Cachoeira do Sul, Cruz Alta, Ijuí, Passo Fundo e Santo Ângelo a receber os primeiros sinais de alerta do governo estadual na primeira rodada do novo sistema 3As de Monitoramento.

Além disso, Leite explicou como vai funcionar o fluxo de trabalho do Gabinete de Crise e do Grupo de Trabalho de Saúde (GT), além de quando os novos indicativos para as regiões serão divulgados semanalmente.

“O Gabinete e Crise vai passar a se reunir nas quartas-feiras, a partir da próxima semana. Precedida esta reunião, de uma reunião do GT Saúde, que vai se reunir, analisar os dados das regiões, e pode deliberar pela emissão de avisos ou alertas. Na sequência, o Gabinete de Crise se reúne e a partir daí, delibera ou não os avisos ou alertas, sobre os dados trazidos pelo GT Saúde”, disse o governador. Ele também informou, contudo, que os técnicos do GT Saúde poderão se reunir a qualquer momento, caso haja necessidade de indicação de algum alerta.

O governador voltou a afirmar que o novo sistema garante maior agilidade que o anterior, o do Distanciamento Controlado, já que troca as fórmulas matemáticas de 11 indicadores estabelecidos e variações pré-definidas, para uma análise menos ‘’engessada” e mais ampla de indicadores de dados de informações.

Além disso, Leite também destacou estar atento ao avanço da pandemia em estados e países vizinhos, trazendo como exemplo o Paraná, a Argentina e o Uruguai. A situação, de acordo com o governador, é monitorada e vista com preocupação.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...