Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Saúde
Instituto dos EUA prevê retorno do Brasil a 3 mil mortes diárias pela Covid ainda em maio
Mesmo no cenário mais otimista, País chega a 779 mil óbitos em setembro.
Rádio Guaíba
por  Rádio Guaíba
18/05/2021 23:28 – atualizado há 2 meses
Continua depois da publicidadePublicidade

O Brasil pode voltar, ainda em maio, ao patamar de 3 mil mortes a cada 24 horas pela Covid e, no pior cenário, chegar a 973 mil óbitos relacionados à doença até o mês de setembro. Os dados foram projetados pelo Instituto Para Métricas de Saúde e Avaliação (IHME), da Universidade de Washington (EUA).

O instituto trabalha com três hipóteses. A projeção mais otimista depende que 95% da população use máscaras de proteção contra a Covid. Em outra, chamada de projeção atual, espera-se que o ritmo de vacinação seja mantido e que a variante B.1.1.7 continue se espalhando. No pior dos cenários, com o maior número de mortes, a pesquisa considera que as pessoas já vacinadas abandonem a prevenção à Covid.

Nas três conjunturas, o IHME projeta que o Brasil volte a registrar 3 mil mortes diárias no dia 31 de maio. Na projeção atual e no cenário mais otimista, o novo pico de óbitos deve ser registrado no início de junho, com cerca de 3,1 mil mortes por dia. Nessas duas hipóteses, o número diário de óbitos cai a partir de 6 de junho e alcança entre 200 (mais otimista) e 480 (projeção atual) por dia no início de setembro.

No pior cenário, aquele em que os vacinados esquecem da prevenção, o pico acontece no início do inverno, em 6 de julho, com quase 4 mil óbitos a cada 24 horas. O número é o dobro do projetado no cenário intermediário (1,9 mil) e quase quatro vezes maior do que as mortes previstas na hipótese otimista (1,1 mil). Nessa conjuntura, o País ainda permanece no patamar das 2 mil mortes diárias em início de setembro.

O instituto também projeta o total de óbitos que o país pode alcançar em cada uma das hipóteses. No cenário mais pessimista, o Brasil pode ter 973 mil mortes até o início de setembro. A previsão atual é para 832 mil e a análise mais otimista prevê 779 mil, até lá. A diferença entre as projeções reforça a importância das medidas de prevenção ao coronavírus. Se pelo menos 95% dos brasileiros usarem máscara adequadamente, cerca de 200 mil vidas poderão ser poupadas em pouco mais de três meses, segundo o IHME.

O jornal O Estado de S.Paulo publicou os resultados do estudo e ouviu especialistas no país. A epidemiologista Ethel Maciel, professora da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), reitera que o uso de máscaras, o distanciamento físico e a higienização das mãos são fundamentais neste momento. “Nós ainda estamos com o número de casos muito alto. Há muitas pessoas infectadas circulando pelas cidades e muitas nem sabem”, salienta.

Já para Roberto Kraenkel, professor do Instituto de Física Teórica da Universidade Estadual Paulista (IFT-Unesp), é difícil projetar os rumos da Covid-19 no País. “A epidemia no Brasil é composta por muitas epidemias ao mesmo tempo.” Ele lembra que não há um plano nacional de combate à pandemia, e que cada Estado precisou montar o próprio planejamento, com os governadores decidindo quando fechar ou não as atividades, de forma reativa. “O curso da epidemia depende demais das medidas de restrição”, observa.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...