Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Segurança
Morte de professor em Abelardo Luz pode estar ligada a dois assassinatos que aconteceram no Paraná
Robson Paim, 36 anos, foi encontrado morto em casa no mês de abril.
NSCTotal
por  NSCTotal
12/05/2021 15:20 – atualizado há 5 meses
Continua depois da publicidadePublicidade

A morte do professor Robson Paim, 36 anos, em Abelardo Luz, no Oeste de SC, que aconteceu há quase um mês, pode estar associada a outros assassinatos que aconteceram em Curitiba, no Paraná. A Polícia Civil dos dois estados ainda apura os casos e não descarta a relação entre eles. Até o momento, ninguém foi preso.

Em páginas dedicadas ao público LGBTI+ circulam informações de que as três vítimas teriam marcado encontros por meio do aplicativo Grindr antes dos assassinatos. A visão é reforçada pelo Grupo Dignidade.

A investigação da polícia é acompanhada pelo Grupo Dignidade, ONG que apoia a população LGBTI+, que cobra justiça pelas três vítimas.

— A perspectiva [dos crimes] é de encontro através de aplicativo de relacionamento e, depois de se encontrar com o suspeito, acaba acontecendo o assassinato. É o mesmo modus operandi — diz o advogado do Grupo Dignidade, Marcel Jeronymo.

Professor universitário Robson Paim morreu aos 36 anos(Foto: Redes sociais, Reprodução)

Robson foi encontrado morto no dia 17 de abril na casa em que morava sozinho, em Abelardo Luz. Segundo a Polícia Militar (PM), ele tinha sinais de violência no corpo. O carro do professor universitário foi encontrado no mesmo dia na região metropolitana de Curitiba.

Os assassinatos no Paraná aconteceram em abril e maio. O primeiro deles foi no dia 30 do mês passado. Um enfermeiro foi encontrado morto no próprio apartamento em Curitiba. Ele estava com as mãos amarradas.

A segunda morte foi registrada no dia 5 de maio. A vítima era estudante de medicina e foi encontrada com sinais de esganadura. O caso também aconteceu em Curitiba.

O delegado Thiago Nóbrega, da 3ª Delegacia de Homicídios de Curitiba, não confirmou a informação, mas disse que houve uma troca de informações com a polícia de Santa Catarina. Nóbrega afirmou que ainda estão sendo feitas diligências para apurar as mortes, mas que não descarta a ligação entre os casos.

— Ainda estamos apurando os casos e mais detalhes não podem ser dados neste momento para não atrapalhar as investigações — disse o delegado.

Para receber as notícias do AU pelo whatsapp, clique aqui

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...