Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Agro
Estiagem castiga agronegócio catarinense
Falta milho, pastagens, água e a produção de leite, aves e suínos está caindo até 40% no Oeste de SC.
MB Comunicação
por  MB Comunicação
11/05/2021 13:02 – atualizado há 5 meses
Continua depois da publicidadePublicidade

A falta de chuva segue castigando fortemente o agronegócio em Santa Catarina. Conforme relatório divulgado pela Epagri/Ciram, a previsão para os próximos dias é de sol, calor e pouca chuva no Estado, o que mantém a situação crítica no grande oeste, principal região produtora. O presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (FAESC), José Zeferino Pedrozo, está preocupado com a situação que afeta vários segmentos e penaliza de forma crítica a produção de leite.

“Não temos mais pastagens. Os produtores não conseguiram guardar alimentos de silagem em função da seca do início do ano e em razão do ataque da cigarrinha. O setor que mais sofre neste momento é o de gado leiteiro no oeste catarinense com queda significativa na produção, que já chegou a aproximadamente 40%”, completa o vice-presidente da entidade, Enori Barbieri.

Segundo ele, os setores de aves e suínos aparecem em segundo lugar entre os segmentos afetados de forma crítica pela estiagem. “Isso porque há falta de água nos criatórios e, no momento, mais da metade vem sendo abastecido por caminhões-pipa. Muitas vezes, não há nem tempo hábil para o tratamento adequado dessa água”.

Outro setor afetado é o milho plantado na resteva para fazer silagem. Barbieri explica que, normalmente, o produtor que colheu soja ou milho, plantou milho novamente com o objetivo de ter uma safrinha especialmente para fazer silagem aos animais, mas essas lavouras estagnaram e não estão produzindo.

Barbieri destaca que o prejuízo na avicultura está vinculado à falta de milho provocada pelo impacto na produção e pela dificuldade em comprar o produto disponível no mercado brasileiro para alimentar os frangos.

O vice-presidente da Faesc ressalta, ainda, que o feijão de safrinha, que é uma cultura rápida com duração de 90 a 100 dias, também foi atingido. “Além da seca, algumas regiões do grande oeste ainda tiveram geadas que afetaram a produção do grão”, assinala Barbieri.

Desde o início do ano, a Secretaria de Estado da Agricultura de Santa Catarina tem vários projetos de auxílio aos produtores rurais em andamento. A medida conta com subsídio do Governo Estadual para cisternas, poços artesianos e outras operações com juro zero para reduzir os impactos da seca. A orientação da Faesc é que os produtores rurais procurem o escritório da Epagri mais próximo para obter informações e usufruir desse benefício.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...