Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Pixabay
Economia
Alta nos preços dos remédios puxa elevação da inflação em abril
Reajuste nos valores dos produtos farmacêuticos contribuíram em quase 1% (0,09 p.p.) no índice geral.
Rádio Guaiba
por  Rádio Guaiba
11/05/2021 10:00 – atualizado há 3 meses
Continua depois da publicidadePublicidade

Puxada pela alta nos preços dos medicamentos, a inflação oficial registrou alta de 0,31% em abril. O IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) perdeu ritmo em relação a março, quando o aumento havia sido de 0,93%, divulgou nesta terça-feira (11) o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Embora tenha registrado desaceleração, nos últimos 12 meses o acumulado chegou a 6,76%, ficando, portanto, acima do centro da meta do governo para 2021, que é de 3,75%, com margem de 1,5 ponto percentual para mais (5,25%) ou para menos (2,25%).

Nos primeiros quatro meses deste ano, o índice acumula alta de 2,37%. Em abril de 2020, a variação havia sido de -0,31%.

Dentro os principais vilões, conforme o IBGE, o reajuste nos valores dos produtos farmacêuticos contribuíram em quase 1% (0,09 p.p.) no índice geral.

No dia 1º de abril, foi autorizado o reajuste de até 10,08% no preço dos medicamentos, dependendo da classe terapêutica. A maior variação no item veio dos remédios anti-infecciosos e antibióticos (5,20%).

“No dia 1º de abril, foi concedido o reajuste de até 10,08% no preço dos medicamentos, dependendo da classe terapêutica. Normalmente esse reajuste é dado no mês de abril, então já era esperado”, explica o gerente da pesquisa, Pedro Kislanov.

As recentes altas da inflação e as expectativas acima da meta governamental já fizeram o BC (Banco Central) revisar as previsões para a inflação de 2021 e resultaram em dois aumentos da taxa básica de juros, a Selic, desde 2015. A última se deu em 5 de maio, quando o indicador subiu para 3,5% ao ano.

Outro destaque no índice de abril foi o grupo dos transportes, que variou -0,08%, influenciado, principalmente, pela queda nos preços dos combustíveis. Após 10 meses consecutivos de alta, a gasolina recuou 0,44% em abril. Mas a queda mais intensa no grupo veio do etanol (-4,93%).

“Houve uma sequência de reajustes entre fevereiro e março na gasolina. Mas no fim de março houve duas reduções no preço desse produto nas refinarias. Isso acaba chegando ao consumidor final”, diz o pesquisador.

Dos nove grupos pesquisados, oito apresentaram alta e a maior pressão veio de Saúde e cuidados pessoais, onde o item medicamentos está incluído.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...