Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Educação
Decisão judicial mantém aulas presenciais no Rio Grande do Sul
A juíza Cristina Marchesan considerou que “não houve a flexibilização dos protocolos com bandeira final preta, mas alteração dos critérios definidos pela Administração para a classificação de risco”
Rádio Guaiba
por  Rádio Guaiba
05/05/2021 10:56 – atualizado há 5 meses
Continua depois da publicidadePublicidade

A juíza Cristina Marchesan, da 1ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, indeferiu pedido de várias entidades para a suspensão das aulas presenciais em todo o Rio Grande do Sul. A magistrada considerou que não houve mudanças nos critérios do mapa do Distanciamento Controlado, mas mudança de bandeira preta para vermelha. “Não houve a flexibilização dos protocolos com bandeira final preta, mas alteração dos critérios definidos pela Administração para a classificação de risco”, escreveu em decisão da manhã desta quarta-feira.

Com isso, segue mantido o calendário da Secretaria Estadual da Educação para a retomada das atividades presenciais. O pedido da Federação dos Professores, Trabalhadores Técnicos e Administrativos e Auxiliares Empregados em Estabelecimentos de Ensino (FETEE-SUL), Associação Mães e Pais pela Democracia e CPERS/Sindicato, portanto, deveria ser analisado em outra ação, conforme o entendimento da magistrada. “Ela não analisou o mérito da ação, ela fundamentou sua decisão no sentido de que eventual discordância quanto aos parâmetros deve ser discutida em ação específica”, resumiu o advogado da Associação, Júlio Sá.

Outra ação semelhante, de autoria do Sindicato dos Municipários de Porto Alegre (Simpa), ainda não foi julgada. A magistrada determinou que o Município deve se manifestar sobre as alegações de falta de segurança para o retorno presencial das atividades.

Está mantida a segunda sessão de mediação entre os envolvidos nestas ações. O encontro será realizado pelo Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania de Porto Alegre (Cejusc-POA), com o intuito de que haja um acordo até para situações futuras. “Vamos participar da audiência à tarde e depois determinar quais medidas serão tomadas. Estamos tentando resolver o conflito”, completou Sá. A primeira mediação terminou sem consenso.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...