Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Segurança
Quadrilha que assaltou banco em Criciúma levou R$ 125 milhões
Após quase cinco meses do crime histórico, polícia chegou ao valor final do prejuízo.
NSCTotal
por  NSCTotal
29/04/2021 18:40 – atualizado há 2 meses
Continua depois da publicidadePublicidade

A quadrilha responsável pelo violento assalto a banco em Criciúma, na madrugada de 1º de dezembro do ano passado, levou R$ 125 milhões na ocasião. A confirmação foi feita pela Polícia Civil nesta quinta-feira (29). O valor total estimado e divulgado pela investigação, até então, era de aproximadamente R$ 80 milhões.

O delegado da Diretoria Estadual de Investigações Criminais, Anselmo Cruz, confirmou ao Diário Catarinense o total roubado após ser questionado sobre uma decisão recente do Superior Tribunal de Justiça (STJ) que cita um valor aproximado que teria sido roubado no crime em Criciúma. Ele explicou que o banco precisou fazer "diversas operações" para chegar à contagem final de R$ 125 milhões.

- Houve valores recuperados em via pública, espalhados no interior do prédio, bem como com pessoas que “pegaram” dinheiro nas imediações e foram identificadas pelas forças policiais. Também houve a necessidade de análise de milhares de notas danificadas durante o arrombamento - explicou Anselmo, sobre o novo valor.

A ação criminosa que aterrorizou os moradores da cidade, que foi cercada pelos bandidos, iniciou no final da noite de 30 de novembro e se estendeu até a madrugada. O grupo, com cerca de 30 assaltantes, explodiu o cofre central de uma agência do Banco do Brasil e usou reféns como escudo.

Os bandidos ainda bloquearam um túnel, provocaram incêndios e atacaram um quartel policial. A troca de tiros durante a fuga dos assaltantes também deixou um militar gravemente ferido.

Metade da quadrilha está presa

Ao menos 16 pedidos de prisão preventiva foram solicitados contra envolvidos no maior assalto da história da Santa Catarina. Do total, ao menos 13 foram cumpridos e outros três seguem abertos. O número de pessoas identificadas e presas representa, no entanto, apenas metade da quadrilha. Acredita-se que pelo menos 30 pessoas participaram do ataque na capital do carvão.


O inquérito principal é mantido sob sigilo e a Polícia Civil espera ainda o indiciamento de vários outros criminosos. A quadrilha pode ficar presa por até 18 anos

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...