Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Economia
Inflação do aluguel desacelera em abril, mas acumula alta de 32% em 12 meses
Taxa ficou em 1,51% em abril ante 2,94% em março, acima da expectativa do mercado.
O Sul
por  O Sul
29/04/2021 11:17 – atualizado há 20 dias
Continua depois da publicidadePublicidade

O IGP-M (Índice Geral de Preços – Mercado) desacelerou a alta para 1,51% em abril, ante avanço de 2,94% em março, informou nesta quinta-feira (29) a FGV (Fundação Getúlio Vargas).

Com este resultado, o índice passou a acumular alta de 9,89% no ano e de 32,02% em 12 meses. Em abril de 2020, o índice havia subido 0,80% e acumulava alta de 6,68% em 12 meses.

“Todos os índices componentes do IGP-M recuaram em abril. A desaceleração da taxa de variação dos combustíveis orientou o recuo da inflação ao produtor e ao consumidor. Apesar disso, a variação do IGP-M avançou mais em 12 meses, tendência que deve continuar até o próximo mês, dado que o IGP-M havia subido apenas 0,28% em maio de 2020”, afirma André Braz, Coordenador dos Índices de Preços.

Divulgação

O resultado de abril ficou acima da mediana das estimativas de 29 consultorias e instituições financeiras, de 1,35%, com intervalo das projeções indo de 0,83% a 1,58%.

O IGP-M é conhecido como “inflação do aluguel”, por servir de parâmetro para o reajuste da maioria dos contratos de locação residencial. Ele sofre uma influência considerável das oscilações do dólar, além das cotações internacionais de produtos primários e matérias-primas. Em 2020, o índice acumulou uma alta de 23,14%, a maior taxa desde 2002.

Pressão menor dos combustíveis

Nos custos ao consumidor, a principal contribuição para a desaceleração partiu do grupo Transportes (3,97% para 1,03%), com destaque para a gasolina, cuja taxa passou de 11,33% em março para 3,03% em abril.

Também apresentaram decréscimo em suas taxas de variação os grupos Educação, Leitura e Recreação (0,02% para -0,76%), Habitação (0,53% para 0,39%) e Vestuário (0,18% para -0,03%). Nestas classes de despesa, os destaques foram: passagem aérea (0,10% para -6,57%), gás de bujão (4,23% para 2,76%) e acessórios do vestuário (1,34% para -0,09%).

Em contrapartida, houve alta nos preços dos grupos Saúde e Cuidados Pessoais (0,41% para 0,99%), Comunicação (-0,10% para 0,36%), Alimentação (0,10% para 0,19%) e Despesas Diversas (0,21% para 0,37%). Entre os itens que ficaram mais caros, estão medicamentos em geral (-0,11% para 1,68%), combo de telefonia, internet e TV por assinatura (-0,13% para 0,72%), laticínios (-1,51% para 1,00%) e serviço bancários (0,05% para 0,36%).

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...