Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Economia
Exportações do agronegócio em março atingem recorde para o mês
Soja em grãos teve receita de US$ 5,4 bilhões, alta de 43,1% na comparação com março de 2020.
Jornal do Comércio
por  Jornal do Comércio
21/04/2021 19:58 – atualizado há 26 dias
Continua depois da publicidadePublicidade

As exportações do agronegócio brasileiro alcançaram US$ 11,6 bilhões em março, valor recorde para o mês e que representa uma alta de 28,6% em relação ao mesmo período de 2020, segundo análise da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) com base nos dados do Ministério da Economia. No acumulado de janeiro a março, as vendas externas somam US$ 23,5 bilhões.

Já o saldo comercial mensal (exportações - importações) registrou superávit de US$ 10,2 bilhões, o melhor resultado em 12 meses. O principal produto da pauta exportadora foi a soja em grãos, que atingiu receita de US$ 5,4 bilhões, expansão de 43,1% na comparação com março do ano passado.

“O avanço das colheitas que estavam atrasadas no primeiro bimestre do ano e prejudicaram os embarques no período foi o principal fator por trás do expressivo aumento frente ao mesmo mês de 2020”, explica a CNA em Comunicado Técnico. O embarque de soja em grãos respondeu por 46,3% do total das exportações do agro.

A carne bovina foi o segundo item mais exportado em março deste ano, com crescimento de 11,6% frente a março/2020 e faturamento de US$ US$ 617,2 milhões. O resultado foi impulsionado pela demanda internacional, principalmente da China, o que ajudou a alavancar os preços globais da proteína e estimulou a exportação.

De acordo com a CNA, alguns itens apresentaram em março de 2021 um aumento expressivo nas exportações na comparação com março de 2020. As principais altas foram para o álcool etílico (134,8%), algodão não cardado nem penteado (66,8%) e carne suína in natura (56,7%).

Em relação aos destinos das exportações do setor, a China foi o principal mercado, com participação de 43,3% na importação dos produtos brasileiros. As exportações para o país asiático foram de US$ 5 bilhões, com quatro produtos respondendo por mais de 90% da pauta: soja em grãos (77,3%), carne bovina in natura (6,5%), celulose (4,2%) e carne suína in natura (3,0%).

A União Europeia ficou na segunda posição entre os principais destinos da pauta exportadora do agro brasileiro, com uma parcela de 14% dos produtos embarcados, seguida por Estados Unidos (5,2%), Tailândia (2,6%), Vietnã (2,2%), Arábia Saudita (1,8%), Coreia do Sul (1,7%), Turquia (1,7%), Japão (1,5%) e Hong Kong (1,5%).

Veja como foi o desempenho de outros setores

As exportações brasileiras de frutas totalizaram US$ 86,8 milhões em março, incremento de 23,6% em relação ao valor exportado no mesmo mês de 2020. Destaque para maçãs frescas, mangas frescas ou secas, limões e limas frescos ou secos, uvas frescas e castanha de caju, que responderam por 66,7% das vendas externas de frutas em março.

Para os lácteos, a receita com os embarques no mês passado foi de US$ 8,1 milhões, crescimento de 30,0% frente a março de 2020. Os principais produtos exportados desse setor foram: queijos, leite modificado, leite condensado, creme de leite e leite fluido, que representaram 94,2% do total.

O Brasil também exportou US$ 17,5 milhões em produtos apícolas em março de 2021, 164,3% a mais do que em março de 2020. O mel de abelha teve parcela de 93,6% no total das vendas externas do segmento (US$ 13,4 milhões).

Já as exportações de chá, mate e especiarias atingiram aproximadamente US$ 33,3 milhões em março de 2021, o que representou uma elevação de 6,2% frente a março de 2020, com destaque para pimenta, (US$ 21,9 milhões) mate (US$ 8,7 milhões) e gengibre (US$ 872 mil).

O setor de pescados teve a expansão mais expressiva (51%), com exportações de US$ 17,3 milhões no mês passado. Os principais produtos foram: peixes frescos ou refrigerados (US$ 4,9 milhões), peixes congelados (US$ 4,5 milhões), preparações e conservas de atuns (US$ 2,3 milhões), peixes secos, salgados ou defumados (US$ 1,8 milhão) e peixes ornamentais vivos (US$ 657 mil).

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...