Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Santa Catarina
Um sistema de gestão cooperativa recomendável
Por Ivan Ramos - Diretor Executivo da Fecoagro-SC.
Ivan Ramos - Dir. Fecoagro-SC
por  Ivan Ramos - Dir. Fecoagro-SC
12/04/2021 07:41 – atualizado há 1 mês
Continua depois da publicidadePublicidade

Muito se tem falado sobre o sistema ideal de gestão numa cooperativa ou em qualquer empresa econômica. Em qualquer atividade, deve prevalecer sempre a profissionalização das pessoas e dos processos, para que haja continuidade e longevidade.

A cada dia se torna mais evidente que as pessoas que têm a responsabilidade de gerir uma empresa, estejam profissionalmente preparadas, e que se evite o máximo possível à descontinuidade.

Isso não quer dizer que determinadas pessoas são insubstituíveis. Todos nos temos talento a desenvolver para ocupar alguma função, com sucesso. O que precisa é adequar aos momentos de cada situação, e reconhecermos que tecnicamente as pessoas devem permanecer o máximo possível nas suas funções para garantir a continuidade de uma administração.

Por outro lado, institucionalmente as coisas podem ser diferentes. Os eventuais dirigentes eleitos ou escolhidos para comandar uma empresa ou entidade, precisam ter a consciência de que alternância no poder é sempre salutar.

A rotação de pessoas que lideram as decisões estratégicas é valida e sangue novo sempre pode ajudar a enxergar as coisas por outro ângulo. Citamos isso para fazer referencia à Fecoagro.

Essa entidade que entra nos seus 46 anos de existência, já experimentou dirigentes de diversas índoles e forma de enxergar a sociedade. Nos últimos 30 anos, tem adotado um sistema que está servindo de escola para outras empresas semiligares no país. Os dirigentes eleitos tem se alternado nas funções a cada dois mandatos, isto e, de 5 a 6 anos, para oportunizar novas ideias na administração da Federação.

A equipe profissional e executiva, também pode ser alterada ou substituída, mas nem sempre tem ocorrido, pois a execução operacional dos trabalhos tem tido continuidade, sempre alicerçada no planejamento estratégico definido pelos dirigentes eleitos.

Por questões legais, a Fecoagro tem dentro do seu conselho de administração três funções eletivas que acompanham mais de perto as atividades da entidade, e também representam as demais associadas externamente, mas não dedica tempo integral na instituição.

Essa sistemática tem dado certo, pois além de conhecerem as atividades da qual a federação foi incumbida, também conhecem o outro lado, ou seja, as atividades práticas das cooperativas filiadas e dos produtores rurais.

É a harmonia perfeita para que o técnico-operacional não se distancie dos objetivos de uma cooperativa e por sua vez os eleitos sintam os dois lados do negocio. A Fecoagro tem sido modelo de governança para a intercooperação, e os resultados tendem a aparecer.

Embora não seja a maior, nem se considera a melhor no sistema cooperativo, tem se mantido na vanguarda dos negócios e ações a ela determinados. A rotatividade planejada dos seus dirigentes eleitos tem sido modelo de gestão.

A oportunidade de que todos que quiserem assumam as funções tem possibilitado que todos os integrantes conheçam os meandros de uma instituição que não e só econômica, mas também institucional e representativa de um segmento importante do cooperativismo catarinense.

Erros e acertos certamente existem em qualquer instituição, mais o importante e reconhecê-los, corrigindo e dando prosseguimento das ações estratégicas, sem nenhum ressentimentos ou mágoa de quem deixa a direção.

Em agindo assim, o sucesso para o conjunto, está assegurado. Pense nisso.

Ivan Ramos é Diretor Executivo da Federação das Cooperativas Agropecuárias do Estado de Santa Catarina - Fecoagro

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...