Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Ciro Delaroca/Reuters
Saúde
Fiocruz alerta para cenário crítico da pandemia no Sul e Centro-Oeste para as próximas semanas
Boletim aponta aumento de mais de 800% das mortes entre jovens de 20 a 29 anos.
O Sul
por  O Sul
10/04/2021 21:28 – atualizado há 1 mês
Continua depois da publicidadePublicidade

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) alerta para cenário crítico e agravamento na saturação do sistema de saúde dos Estados do Sul e Centro-Oeste para as próximas semanas.

Isso porque, segundo o boletim divulgado na sexta-feira (9), as próximas semanas deverão refletir a situação vivida pelas regiões entre o final de março e início de abril, quando o Distrito Federal, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Mato Grosso tiveram as maiores taxas tanto de casos como de mortalidade pela Covid-19 de todo o Brasil. Goiás e Mato Grosso do Sul também apresentaram apresentaram no período elevadas taxas de mortes.

“Esse padrão coloca as regiões Sul e Centro-Oeste como críticas para as próximas semanas, o que pode ser agravado pela saturação do sistema de saúde nesses estados”, informa a Fiocruz.

O documento destaca a situação do Rio Grande do Sul, que, pela primeira vez desde o início da pandemia, entrou para a lista dos Estados com as maiores taxas de letalidade: sua taxa de letalidade atual é de 4,1%, a segunda maior do país, atrás apenas do Rio de Janeiro (6,2%).

Quanto às taxas de ocupação do sistema de saúde, até o dia 5 de abril, 19 estados mais o DF estão com taxas de ocupação dos hospitais superiores a 90%. No que diz respeito apenas aos leitos de UTI Covid, 21 estados estão com taxas de ocupação superiores a 90%.

Mortes entre os jovens

O boletim da sexta-feira também alerta para um expressivo aumento de mortes e casos entre adultos entre 30 a 59 anos.

Entre a Semana Epidemiológica 1 (3 a 9 de janeiro de 2021) e a 12 (21 a 27 de março), houve um aumento de casos de:

  • – 30 a 39 anos: aumento de 1.218,33%;
  • – 40 a 49 anos: aumento de 1.217,95%;
  • – 50 a 59 anos: aumento de 1.144,94%.

Também houve aumento de mortes neste mesmo período entre os mais jovens:

  • – 20 a 29 anos: aumento de 872,73%
  • – 30 a 39 anos: aumento de 813,95%;
  • – 40 a 49 anos: aumento de 880,72%;
  • – 50 a 59 anos: aumento de 877,46%.

Imunização

Quanto à imunização, os pesquisadores observam que o Brasil ainda está distante dos índices necessários para que o país tenha “uma situação de maior controle” da doença. As primeiras doses das vacinas foram disponibilizadas pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI), até o período em análise, para 13% da população acima de 18 anos e a segunda dose para 3,68%.

Como exemplo de controle contra o avanço da pandemia no Brasil, a análise traz como exemplo as medidas de bloqueio adotadas em Fortaleza, na região metropolitana de Salvador e no município de Araraquara (SP). Os impactos positivos desse tipo de medidas quando foram adotadas em países como Itália e Espanha também são citados no documento.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...