Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Rio Grande do Sul
Em visita ao RS, ministro da Saúde se reúne com governador Eduardo Leite
Preocupação com a proximidade do inverno, que traz aumento da demanda de outras doenças respiratórias, foi um dos temas.
Ascom/Estado RS
por  Ascom/Estado RS
08/04/2021 18:02 – atualizado há 1 mês
Continua depois da publicidadePublicidade

O governador Eduardo Leite participou, nesta quinta-feira (8/4), de reunião com o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. Em visita ao Rio Grande do Sul pela primeira vez como ministro, Queiroga esteve no Grupo Hospitalar Conceição (GHC), em Porto Alegre. A reunião durou cerca de uma hora, e também contou com a participação da secretária da Saúde, Arita Bergmann, e do prefeito de Porto Alegre, Sebastião Melo.

“Tivemos uma boa conversa com o ministro. Transmiti a ele nossas preocupações: o RS tem uma população com maior longevidade e um percentual alto de pessoas com comorbidades, não porque o povo gaúcho tenha mais doenças, mas porque nosso sistema de saúde e nossa qualidade de vida permite que essas pessoas com doenças crônicas tenham maior sobrevida. Ao mesmo tempo, nossa força acaba sendo nossa fraqueza, porque a fragilidade dessas pessoas perante o coronavírus é maior”, destacou o governador Eduardo Leite, em coletiva de imprensa após a reunião.

O governo do Estado entregou ao ministro uma solicitação de envio de novos equipamentos – 100 monitores cardíacos, 100 respiradores beira-leito, 100 respiradores de transporte e 400 bombas de infusão.

“Estamos vendo uma leve redução de internações em leitos clínicos e de UTI, mas estamos nos aproximando do inverno, momento no qual começam a surgir outras doenças respiratórias, que também demandam atendimento. Por isso, o momento ainda inspira cuidados, e precisamos ter equilíbrio e sensatez, garantindo estrutura de atendimento hospitalar e, de outro lado, a expansão da vacinação”, ponderou Leite.

A coordenadora do Programa Nacional de Imunizações (PNI), Francieli Fantinato, explicou que cada remessa de doses enviada pelo Ministério da Saúde vem acompanhada de uma nota técnica, que traz informações a respeito de qual grupo prioritário deve ser vacinado naquele momento. A 11ª remessa recebida pelo RS trouxe doses que deveriam, conforme orientação expressa do Ministério da Saúde, ser destinadas à aplicação da segunda dose em profissionais da saúde que receberam a primeira dose no dia 25 de janeiro. No próximo 25 de abril, o prazo de 12 semanas termina, e esses profissionais devem receber a segunda dose.

51103342401 b317f6d424 k
Secretária da Saúde, Arita Bergmann, acompanhada do governador Leite, também participou de reunião com ministro Queiroga - Foto: Gustavo Mansur / Palácio Piratini

Ainda de acordo com o ministro da Saúde, a expectativa é de que sejam disponibilizadas 30,9 milhões de doses da Coronavac em abril. “O ministro deixou claro o esforço que tem sido feito para viabilizar outras doses de vacinas, inclusive de outras empresas, e para garantir as condições de produção do IFA (insumo para a vacina) no Brasil, tornando o país menos suscetível à disponibilidade do insumo no mercado internacional”, explicou Leite. Boa parte dessas 30,9 milhões de doses também devem ser destinadas à segunda aplicação, completando a imunização de grupos prioritários.

O governador aproveitou para destacar a importância da antecipação da vacinação de professores dentro do PNI, uma vez que o Estado segue pleiteando a autorização do Supremo Tribunal Federal (STF) para retomar as aulas presenciais da Educação Infantil e dos anos iniciais do Ensino Fundamental.

Fiscalização do cumprimento de protocolos nos municípios

Durante a coletiva de imprensa, o governador Eduardo Leite também falou sobre a reunião do Gabinete de Crise, que contou pela primeira vez com a participação do prefeito de Porto Alegre, Sebastião Melo.

O prefeito foi convidado a participar porque, além de prefeito da capital, é também presidente do Consórcio dos Municípios da Região Metropolitana de Porto Alegre (Granpal), que reúne 16 municípios e representa cerca de 30% da população gaúcha.

“O grande ponto para o governo do Estado é ter segurança de que a fiscalização nos municípios ocorrerá de forma rigorosa. Na segunda-feira (5/4), pedimos aos prefeitos que apresentassem planos de fiscalização. Uma coisa é fiscalizar porta fechada, outra é fiscalizar o funcionamento dos estabelecimentos. Há uma complexidade na fiscalização, e se não houver recursos humanos suficientes, o Estado vai disponibilizar recursos para a contratação extra de fiscais”, destacou Leite.

O comitê técnico do governo do Estado se reuniu, nesta quinta (8) à tarde, com o comitê técnico da prefeitura de Porto Alegre para debater o funcionamento de atividades aos finais de semana e também a ampliação de horários. Uma definição deve ser apresentada nesta sexta-feira (9/4). O Estado também planeja lançar, nos próximos dias, um canal de denúncia integrado e estimular a população a denunciar.

“Com todos esses componentes, estamos com segurança de dar um novo passo no sentido de novas flexibilizações. Mas insisto que o risco ainda existe. Diminuímos nossa taxa de transmissão de 2,2 para ao redor de 1, mas estamos com hospitais super demandados e qualquer oscilação na demanda pode significar uma nova pressão difícil de suportar, então, todo cuidado é necessário”, reforçou.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...