Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Rio Grande do Sul
Federação das Santas Casas importará 900 mil ampolas de medicamentos do kit intubação
A compra conjunta permitirá ao grupo ter ainda um preço mais competitivo.
Jornal do Comércio
por  Jornal do Comércio
30/03/2021 22:19 – atualizado há 1 mês
Continua depois da publicidadePublicidade

Para buscar uma solução sustentável à escassez de medicamentos anestésicos dos kits intubação utilizados nas Unidades de Tratamento Intensivo (UTIs), agravada pelo atual cenário da pandemia, a Federação das Santas Casas e Hospitais Beneficentes, Religiosos e Filantrópicos do Rio Grande do Sul (Federação RS) decidiu importar, pela primeira vez, lotes de pelo menos três dos fármacos mais utilizados. A compra conjunta de 900 mil ampolas será feita de países como Índia e Turquia, e deverá chegar ao Estado entre 22 e 30 dias após a solicitação, segundo publicação do site do Jornal do Comércio.

Nesta terça-feira (30), representantes da Federação alinhavavam a lista final de hospitais que participarão do processo. De acordo com Cassiano Macedo, que atua na divisão de Saúde Suplementar da entidade, pelo menos 60 casas de saúde confirmaram a intenção de adquirir os medicamentos diretamente do mercado externo, como forma de minimizar as dificuldades internas de compra e demora do governo federal em adquiri-los para repasse ao Estado. "A intenção não é apenas apagar incêndio, mas construir uma solução diferente e útil para o problema, a médio prazo. O que interessa é abrirmos esse canal e fazermos logo a primeira aquisição conjunta", relata.

A possibilidade de importação desses medicamentos por hospitais e redes hospitalares foi permitida pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que publicou medidas regulatórias emergenciais nesse sentido, como forma de enfrentar a escassez dos fármacos.

Desde o dia 18 de março a Federação RS já vinha debatendo essa possibilidade e pesquisando alternativas junto ao mercado internacional. Embora os preços dos medicamentos sejam similares no Brasil e no Exterior, a grande demanda interna faz com que os estoques esgotem rapidamente e que os fabricantes passem a aplicar preços abusivos em todo o País. Além das dificuldades em encontrá-los, os valores aplicados não condizem com a realidade das instituições de Saúde.

A compra conjunta permitirá ao grupo ter ainda um preço mais competitivo. A intermediação de todo o processo está sendo feita pela Federação das Santas Casas, mas os contratos e pagamentos dos produtos serão feitos individualmente, a cargo de cada hospital conveniado.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...