Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Cidade
SC tem queda nos casos de coronavírus, mas região oeste do estado beira o colapso do sistema de saúde
Em Chapecó, Xanxerê e Maravilha todos os leitos disponíveis no SUS já estão ocupados.
NSCTotal
por  NSCTotal
03/02/2021 14:52 – atualizado há 3 meses
Continua depois da publicidadePublicidade

O início de 2021 trouxe para Santa Catarina um cenário de opostos na pandemia do coronavírus. Ao mesmo tempo em que o Estado vive um momento de queda no número de casos ativos e têm as menores taxas gerais de ocupação das UTIs do SUS, o Oeste catarinense registra lotação nos hospitais e beira o colapso no sistema de saúde. No Norte, a ocupação também segue em alta e está em 86,7%.

Mesmo com um aumento nos casos de covid-19 na primeira quinzena de janeiro, em um movimento esperado pelas festas de fim de ano, o Estado terminou o mês com taxas estáveis e até mesmo em queda, com a menor ocupação geral das UTIs desde o início de novembro, na casa dos 72%. Com a curva no sentido oposto, a região Oeste já cogita a necessidade de transferir pacientes para outras áreas do Estado.

Foto: Zanone Fraissat/Folhapress

Conforme o boletim da Secretaria de Estado da Saúde desta terça-feira (2), a ocupação dos leitos de UTI do SUS no Grande Oeste está em 97,8%. Na prática, isso significa que existem apenas três leitos vagos em toda a região, entre os 136 ativos. Em Chapecó, Xanxerê e Maravilha todos os leitos disponíveis no SUS já estão ocupados. O fato motivou a ida de uma comitiva da prefeitura de Chapecó para Florianópolis nesta terça, com o objetivo de cobrar a contratação de mais leitos e profissionais de saúde.

Caso o sistema de saúde do Oeste entre em colapso, as prefeituras irão procurar vagas em outras regiões do Estado, como o Meio-Oeste, que tem 36 vagas disponíveis, ou o Sul, com 75 leitos desocupados. Em último caso, Chapecó irá acionar a rede privada de saúde, buscando parcerias em hospitais particulares.

A médica infectologista Carolina Ponzi, que atua no combate à pandemia em Chapecó, vê que o número de pessoas buscando o atendimento hospitalar tem crescido dia após dia na região. Com um volume maior de pessoas doentes, a pressão no sistema de saúde cresce proporcionalmente. Pelo contato com os pacientes, a médica acredita que exista uma relação com o turismo no verão:

- O pessoal aqui do Oeste foi para o Litoral nas festas de fim de ano, o que é uma tendência de todos os anos, e nós vimos as imagens das pessoas em festas, aglomerações. Essas pessoas voltaram e talvez estejam transmitindo o vírus para outras pessoas, parentes, que têm comorbidades.

Ponzi destaca também que os pacientes graves de covid-19, que precisam de internação em UTIs, geralmente necessitam de um período maior de hospitalização, superior a duas semanas e podendo chegar a 30, 40 dias. Depois que a infecção pelo coronavírus passa e os pacientes internados não transmitem mais o vírus, eles podem ser transferidos de ala, e assim também ocupam vagas que podem faltar para pessoas que sofrem acidentes ou precisam de internação por outras doenças.

Cenário positivo no Sul

A região Sul de Santa Catarina, que já viveu grandes surtos de covid-19 no ano passado, hoje vê uma situação oposta. Depois de beirar a lotação máxima dos hospitais entre novembro e dezembro, o número caiu e, hoje, está na casa dos 50%.

Conforme o boletim da Secretaria de Estado da Saúde, apenas 22 pessoas com confirmação ou suspeita de covid-19 estão internadas em UTIs da região Sul no momento. Destas, 11 estão no Hospital São José, em Criciúma, segundo o infectologista e diretor da unidade de saúde, Raphael Farias. Em novembro o hospital chegou a ter 114 pacientes com coronavírus internados (entre leitos comuns e UTI), hoje o número é de 28 pessoas.

Esperávamos um aumento no número de casos entre a segunda e a terceira semana de janeiro, o que não aconteceu. A causa disso pode estar relacionada a vários fatores, ainda não temos esse diagnóstico. A população pode estar seguindo mais as recomendações, e há também a pesquisa de antígeno precoce sendo feita na rede pública, isolando precocemente os pacientes no segundo ou terceiro dia de sintomas - explica Farias.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...