Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Divulgação
Mundo
Seringa, freezer, algodão podem faltar para vacina do Covid se Brasil não agir rápido
Além do produto farmacêutico em si, a aplicação das doses requer uma série de outros insumos e ferramentas. Sem eles, não dá nem para iniciar as campanhas.
BBC Brsil
por  BBC Brsil
07/12/2020 15:38 – atualizado há 10 dias
Continua depois da publicidadePublicidade

A aprovação da primeira vacina contra a covid-19 em alguns países da Europa, a divulgação do plano de imunização contra o coronavírus no Brasil lança alerta sobre os insumos necessários para a vacinaçãoem massa.

Apesar dos avanços importantes, a pandemia está longe de acabar. E há uma etapa muito importante que é pouco mencionada quando o assunto é vacinação para o Covid-19. .

São coisas simples, como seringa, algodão, caixa térmica, saco plástico, luva descartável, e outras mais complexas, como refrigerador, freezer, sistemas informatizados e logística de distribuição e transporte dos lotes.

Por mais que o mundo já tenha experiência com iniciativas de vacinação em larga escala, a pandemia atual vai exigir uma verdadeira operação de guerra.

Se considerar a meta da Organização Mundial da Saúde (OMS) de imunizar 20% da população global no próximo ano, fala-se de 1,5 bilhão de pessoas contempladas em 12 meses.

Como a maioria das candidatas mais avançadas precisam de duas doses para surtir efeito, isso significa uma necessidade de 3 bilhões de vacinas e a mesma quantidade de seringas e agulhas. Os números também são gigantescos quando se coloca na ponta do lápis todos os demais equipamentos básicos citados acima.

A parte que nos cabe

No Brasil o desafio será enorme. Afinal, é um país com dimensões continentais, com regiões de difícil acesso e muita desigualdade.

Um ponto favorável é a larga experiência do país com projetos desse tipo. "O Programa Nacional de Imunizações (PNI) existe há 47 anos. Nós possuímos capacidade, organização e estrutura. Estamos acostumados a fazer vacinações em massa e temos ótimos exemplos disso na nossa história, como as campanhas contra a varíola, a poliomielite e a gripe", defende a enfermeira Mayra Moura, diretora da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm).

O tamanho do PNI realmente impressiona. Atualmente, o país possui 38 mil salas de vacinação. Em épocas de campanha, esse número pode ser ampliado para 50 mil.

No total, são 114 mil vacinadores, o que significa uma média de três profissionais trabalhando em cada uma dessas unidades. Tudo é gerido dentro do guarda-chuva do Sistema Único de Saúde, o SUS, e está disponível a todos os cidadãos.

O grande temor é que os prazos apertados prejudiquem a entrega desses materiais e atrasem o início das campanhas, marcadas provisoriamente para o primeiro trimestre de 2021.

Também há dúvidas sobre a disponibilidade de matéria-prima, pois alguns componentes usados na manufatura são importados. Como todos os países do mundo precisarão comprá-los, há o risco de falta de estoques e aumento de preços.

"O que nos deixa preocupados é que aparentemente o governo federal não tomou algumas medidas que poderiam ter sido antecipadas, e isso pode dificultar o acesso a certos produtos", observa a médica Ana Maria Malik, coordenadora do Centro de Estudos em Planejamento e Gestão de Saúde da Fundação Getúlio Vargas (FGVSaúde), em São Paulo.

Segundo a especialista, podemos viver um cenário parecido ao que ocorreu no início da pandemia, em meados de abril e maio. "Naquele período, havia uma absoluta escassez dos respiradores e de equipamentos de proteção individual, como máscaras e luvas", lembra.

Numa situação normal, a compra dos insumos de vacinação é feita pelos governos estaduais. Eles são responsáveis por adquirir os materiais e encaminhar para os municípios, que fazem a distribuição pelas unidades de saúde. Mas, com a absoluta urgência da pandemia, o Ministério da Saúde já declarou que também vai adquirir os produtos e coordenar as ações.

Mas qual a disponibilidade de alguns desses materiais? E será que o Brasil pode responder a essa demanda? A BBC News Brasil ouviu algumas entidades representativas do setor para entender a capacidade de produção interna e como isso pode impactar na vacinação contra a covid-19.

Por outro lado, há uma certa apreensão em setores da indústria que fabricam os insumos, como os responsáveis por refrigeradores e seringas. Eles relatam que não receberam qualquer contato do governo e ainda não sabem o que precisarão produzir para a atender à demanda que virá nos próximos meses.

Repercussões nos cofres públicos

Essa falta de contato e a eventual demora no planejamento e na aquisição de insumos têm os mais diversos impactos. Além de um possível atraso da própria campanha de vacinação, o que afeta a saúde de toda a população, a economia pode acabar abalada.

Afinal, com mais países competindo por um número limitado de matérias-primas e equipamentos, o preço tende a subir. Caso exista a necessidade de importação, o dólar alto e uma relação diplomática atribulada com a China, o principal exportador de muitos dos insumos essenciais, são ingredientes que complicam ainda mais essa história.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...