Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Segundo o estudo, o animal viveu durante a ascensão da era dos dinossauros | Foto: Márcio L. Castro / Ilustração / Ufsm / CP
Ciência
Estudo da UFSM apresenta descoberta de fóssil de um dos mais antigos antepassados do T-rex no RS
Segundo a publicação, o fóssil é muito mais antigo do que estes dinossauros, representando um dos membros mais antigos da linhagem chamada de Theropoda.
Correio do Povo
por  Correio do Povo
02/12/2020 20:22 – atualizado há 18 dias
Continua depois da publicidadePublicidade

A Universidade Federal de Santa Maria (Ufsm) divulgou, nesta quarta-feira, um estudo que revela a descoberta de fóssil de um dos mais antigos antepassados do Tyrannosaurus rex, no município de Agudo, na Região Central do Rio Grande do Sul.

O estudo desenvolvido pelo paleontólogo da instituição, Dr. Rodrigo Temp Müller, e publicado no periódico Journal of South American Earth Sciences, aponta que o fragmento ósseo fossilizado de uma perna carrega um conjunto de características do grupo de dinossauros que inclui, além do T-rex, Spinosaurus aegyptiacus e Velociraptor mongoliensis.

Segundo a publicação, o fóssil é, entretanto, muito mais antigo do que estes dinossauros, representando um dos membros mais antigos da linhagem chamada de Theropoda. Com cerca de 230 milhões de anos, o novo animal recebeu o nome de Erythrovenator jacuiensis - que significa “caçador vermelho do Rio Jacuí”, referindo-se à coloração avermelhada do fóssil e ao rio que corre próximo a localidade onde ele foi descoberto - e viveu durante a ascensão da era dos dinossauros.

Cidade fossilífera

Com a descoberta do fêmur fossilizado em 2017, fez com que Agudo se tornasse a cidade com maior número de espécies de dinossauros no Estado. A localidade fossilífera é conhecida como Sítio Niemeyer, em referência a família dona das terras. Os pesquisadores acreditam que o local represente uma camada fossilífera totalmente nova, já que os outros animais descobertos nela também eram desconhecidos. Alguns destes animais correspondem a parentes dos mamíferos, o que torna possível que o Erythrovenator jacuiensis tenha caçado alguns destes precursores.

De acordo com o artigo, ao contrário dos seus parentes, como o Tyrannosaurus rex, o animal teria cerca de dois metros de comprimento e pesava nove quilogramas. No entanto, apesar do tamanho pequeno, ele provavelmente foi um predador ágil, uma vez que o fêmur preserva estruturas de inserção muscular bastante desenvolvidas.

Segundo o estudo, o animal viveu durante a ascensão da era dos dinossauros | Foto: Márcio L. Castro / Ilustração / Ufsm / CP

A pesquisa ainda mostrou que uma análise do grau de parentesco indicou que ele seria um dos mais primitivos dinossauros da linhagem dos terópodes já descobertos. Como os dinossauros terópodes mais primitivos são todos carnívoros, supõe-se que o Erythrovenator jacuiensis também se alimentava de carne, apesar de não preservar dentes ou partes do crânio.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...