Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Ciência
Pesquisadores investigam se células de gordura são a fonte dos fatores que agravam o coronavírus
Uma das teorias em investigação é a de que os adipócitos servem como reservatório para o SARS-CoV-2.
O Sul
por  O Sul
04/11/2020 10:09 – atualizado há 32 segundos
Continua depois da publicidadePublicidade

Há cada vez mais evidências de que o tecido adiposo desempenha um papel-chave no agravamento da Covid-19. Uma das teorias em investigação é a de que os adipócitos servem como reservatório para o SARS-CoV-2, contribuindo para aumentar a carga viral de indivíduos obesos ou com sobrepeso.

Além disso, os cientistas desconfiam que, durante a infecção, as células de gordura liberam na corrente sanguínea substâncias que amplificam a reação inflamatória desencadeada pelo vírus no organismo.

Essas hipóteses estão sendo investigadas por pesquisadores da FM-USP (Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo), sob a coordenação da professora do Departamento de Cirurgia Marilia Cerqueira Leite Seelaender.

O projeto tem com a colaboração de Peter Ratcliffe, professor da Universidade de Oxford, no Reino Unido, e um dos premiados com o Nobel de Medicina em 2019.

“Já foi demonstrado que no organismo de pacientes com Covid-19 ocorre uma tempestade de citocinas que resulta em inflamação sistêmica similar à sepse. Nós acreditamos que esses fatores inflamatórios estão vindo do tecido adiposo. Já foi demonstrado que os adipócitos quando se expandem demasiadamente tornam-se capazes de promover inflamação no corpo todo, até mesmo no cérebro”, afirma Seelaender.

O grupo da FM-USP tem analisado amostras de tecido adiposo de pessoas que morreram de Covid-19, obtidas durante autópsia, e também de pacientes infectados com o SARS-CoV-2 que precisaram ser submetidos a cirurgias de emergência (sem relação com a infecção, por exemplo, casos de apendicite) no Hospital Universitário da USP.

Resultados preliminares confirmam que o novo coronavírus pode ser encontrado no interior da célula de gordura, cuja membrana externa é rica em ACE2 (enzima conversora de angiotensina 2, na sigla em inglês).

Essa proteína é a principal “porta” usada pelo SARS-CoV-2 para invadir as células humanas. O que ainda falta ser confirmado é se, além de entrar no adipócito, o novo coronavírus consegue permanecer e se replicar dentro da célula.

“Uma coisa interessante de ressaltar é que o adipócito visceral [que compõe a gordura que se acumula entre os órgãos] tem muito mais ACE2 que o do tecido adiposo subcutâneo. Além disso, é muito mais inflamatório. Portanto, a obesidade visceral tende a ser ainda mais prejudicial no que diz respeito à Covid-19”, explica a pesquisadora.

Pixabay

Os primeiros achados do trabalho revelam ainda que no tecido adiposo de pessoas infectadas há mudança no padrão de secreção de exossomos – pequenas vesículas que a célula libera na circulação e que podem conter moléculas sinalizadoras de diversos tipos. Esse é um dos mecanismos que permitem a troca de informações entre diferentes tecidos, visando adaptar o corpo a eventuais mudanças no ambiente.

Um dos objetivos da pesquisa conduzida na FM-USP é confirmar se a infecção pelo SARS-CoV-2 faz os adipócitos liberarem mais exossomos contendo fatores inflamatórios. As análises já feitas revelaram que há um aumento no número de vesículas liberadas na circulação.

Agora, os pesquisadores pretendem fazer a caracterização do conteúdo dessas vesículas – tanto as circulantes quanto as encontradas dentro das células. Além disso, pretendem investigar as vias de inflamação supostamente ativadas por essas moléculas.

“Partimos do pressuposto de que, à medida que a pessoa engorda, o tecido adiposo se torna hipóxico, ou seja, fica com menos oxigênio disponível. A hipóxia em si é causa de inflamação. Portanto, uma das coisas que pretendemos investigar é se a Covid-19 causa hipóxia nos adipócitos”, conta Seelaender.

As estratégias de adaptação das células humanas a situações de hipóxia foram o tema da pesquisa que rendeu o Nobel a Ratcliffe e também a William G. Kaelin (Universidade Harvard) e Gregg Semenza (Johns Hopkins School of Medicine).

Atualmente, o pesquisador britânico tem se concentrado em estudar, com amostras obtidas por autópsia, o efeito do SARS-CoV-2 no corpo carotídeo – um conjunto de células existente dentro da carótida e que funciona como um sensor de oxigênio.

Ao perceber queda na oxigenação sanguínea, o corpo carotídeo ativa respostas para aumentar a frequência cardíaca e respiratória. Ratcliffe acredita que o vírus infecta o corpo carotídeo e atrapalha seu funcionamento, o que explicaria por que muitos pacientes com Covid-19 demoram para perceber que estão com insuficiência respiratória – processo que ficou conhecido como hipóxia silenciosa.

Já o grupo da FM-USP tem se concentrado em entender o efeito da infecção no tecido adiposo. “Estamos analisando tudo que está sendo secretado pelas células de gordura: proteínas, ácidos graxos saturados, prostaglandinas [um tipo de lipídeo com ação similar à de hormônios], microRNAs [pequenas moléculas que não codificam proteínas mas têm ação reguladora sobre a expressão de genes] e exossomos”, diz a pesquisadora.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...