Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Ciência
Estudo da UFSM apresenta nova espécie de cinodonte que viveu há 225 milhões de anos
A nova espécie de cinodonte, linhagem que inclui os ancestrais dos mamíferos atuais, foi descoberta no município de Agudo, no RS.
O Sul
por  O Sul
13/10/2020 09:54 – atualizado há 13 segundos
Continua depois da publicidadePublicidade

Pesquisadores do Centro de Apoio à Pesquisa Paleontológica da UFSM (Universidade Federal de Santa Maria) e do Museu Argentino de Ciências Naturais publicaram um estudo no periódico científico Journal of Vertebrate Paleontology que apresenta uma nova espécie de cinodonte.

O animal viveu há cerca de 225 milhões de anos, durante o Período Triássico, onde hoje é a Quarta Colônia, na Região Central do Rio Grande do Sul.

A nova espécie de cinodonte, linhagem que inclui os ancestrais dos mamíferos atuais, foi descoberta no município de Agudo. O animal recebeu o nome de Agudotherium gassenae, formado a partir da combinação das palavras: “Agudo”, em referência à cidade que foi encontrado, e “therios”, relacionado a mamífero. Já “gassenae” faz uma homenagem à Valserina Maria Bulegon Gassen, ex-prefeita de São João do Polêsine e secretária-executiva do Consórcio de Desenvolvimento Sustentável da Quarta Colônia, por sua contribuição na criação do Centro de Apoio à Pesquisa Paleontológica.

O material fóssil é representado pelos dentários direito e esquerdo (principais ossos da mandíbula), com dentes preservados. Esse pequeno cinodonte media aproximadamente 30 centímetros de comprimento e trata-se possivelmente de um indivíduo adulto. Dada a sua dentição, provavelmente teria uma dieta carnívora/insetívora, alimentando-se de insetos e de animais menores. No estudo, os pesquisadores usaram microtomografia computadorizada para estudar a morfologia mandibular e dentária do animal.

Agudotherium gassenae é a segunda espécie descrita para o Sítio Niemeyer, localizado no interior do município de Agudo. Desde a descoberta deste novo sítio fossilífero, em 2014, pesquisadores vêm fazendo novas escavações e coletas de fósseis. A primeira espécie estudada e identificada para essa localidade fossilífera foi o cinodonte traversodontídeo Siriusgnathus niemeyerorum, descrito em 2018.

O primeiro material fóssil encontrado de Agudotherium gassenae, dentário direito, foi coletado por paleontólogos da UFSM no início de 2017. Para a surpresa da equipe, em julho de 2019, no mesmo local onde foi coletado esse primeiro espécime, o osso homólogo (dentário esquerdo) foi descoberto. Os pesquisadores não podem afirmar se ambos os materiais fósseis de Agudotherium gassenae representam o mesmo indivíduo, uma vez que os espécimes não foram coletados juntos e o intervalo de tempo entre a coleta de cada material é considerável. Contudo, ambos apresentam o mesmo tamanho e estágio ontogenético.

A descoberta faz parte da tese de doutorado da paleontóloga Micheli Stefanello, pelo Programa de Pós-Graduação em Biodiversidade Animal da Universidade Federal de Santa Maria, com o apoio de profissionais do Centro de Apoio à Pesquisa Paleontológica da Quarta Colônia e do Museu Argentino de Ciências Naturais.

Segundo a pesquisadora, Agudotherium gassenae faz parte da linhagem dos cinodontes probainognátios, formas relacionadas muito próximas aos mamíferos, que se caracterizam por uma média corporal pequena e hábitos alimentares predominantemente carnívoros e insetívoros. Provavelmente, esses animais viviam em tocas e tinham hábitos noturnos, sendo possivelmente presas de predadores maiores, como os dinossauros.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...