Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Divulgação
Agro
A culpa é do produtor?
Por Ivan Ramos
Ivan Ramos/Fecoagro
por  Ivan Ramos/Fecoagro
21/09/2020 09:09 – atualizado há 16 segundos
Continua depois da publicidadePublicidade

Esse espaço de mídia, escrita ou eletrônica, tem sido o desaguadouro de muitas manifestações de congratulações, reivindicações ou reclamações do setor agropecuário e cooperativista, principalmente de SC. Nossas opiniões aqui externadas sempre têm a ver com algo que acontece em nosso meio e que são propalados por lideranças, políticos, administradores públicos ou mesmo agricultores catarinenses.

Temos a consciência que através desse meio de comunicação atingimos uma camada expressiva de público relacionado com o agro e nem sempre agradamos a todos, mas a intenção é “levantar a lebre” sobre determinado assunto, para contribuir com o aperfeiçoamento das decisões a quem de direito.

Acho que temos tido muito mais repercussão positiva, do que negativa, nas posições aqui externadas, mas precisa ficar bem claro do que falamos nada é pessoal, mas sim conjuntural e que pretende ajudar a corrigir eventuais rumos, ou enaltecer ações e comportamentos que estejam de acordo com os princípios cooperativistas ou interesse dos agricultores, e que sirva de inspiração para a nossa comunidade.

Nessa semana queremos enfocar um assunto dominou a ordem do dia e continua repercutindo na população: os preços do arroz nas gondolas dos supermercados, que foi pauta em toda a mídia nacional, com acusações e interpretações distorcidas, onde se procurou achar culpados de um problema que é igual no mundo inteiro: a lei da oferta e da procura. Uma lei irrevogável “nem pelo Papa”. Aumentou a demanda – por diversos motivos já divulgados – subiu o preço. Não adianta procurar o setor culpado. A mídia que gosta de polemizar já tentou jogar um contra o outro. Produtores contra consumidores, e ainda querendo atribuir culpa ao governo. Ainda bem que hoje temos um governo que não age sobre pressão só para agradar as massas. A ministra da Agricultura Tereza Cristina foi direta. “Não vamos tabelar preço”. Temos que buscar oferta e não intervir no mercado. O presidente da República deu o respaldo. Nada adianta os supermercados dizerem que é culpa do setor produtivo e esse culpar o varejo. Precisamos é de aumentar a oferta. Essa oferta vem com maior produção, essa com mais produtividade e incentivos.

A área de arroz plantada no Brasil caiu muito nos últimos anos por falta de renda na atividade. Por longo período os produtores ficaram perdendo dinheiro no cultivo e ninguém veio na mídia defender o produtor. Apenas se aproveitaram da situação para aumentar suas vendas a preço baixo. Toda pessoa de sã consciência sabe que o arroz é um alimento barato, por isso muito consumido em todas as camadas sociais. Portanto, acusar os produtores pelo preço do arroz chega ser ridículo. Quem reclama deveria ir plantar e correr todos os riscos pra ver se é caro ou barato. O que é baixo é o poder aquisitivo da população, devido às injustiças da distribuição de renda desse país. Como superar essa situação que vez por outra afeta esse ou aquele produto alimentício no mercado? Produção, produtividade, trabalho. E isso o produtor sabe fazer, mas precisa de incentivo e segurança de renda. O resto o mercado e encarrega. Pense nisso.

Ivan Ramos é Diretor Executivo da Federação das Cooperativas Agropecuárias do Estado de Santa Catarina - Fecoagro

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...