Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Santa Catarina
Paciente com coronavírus e família se aproximam com proteção de vidro em visitas
Hospital Regional de São Miguel do Oeste instalou a janela transparente para que fossem liberadas visitas presenciais
NSCTotal
por  NSCTotal
13/08/2020 17:05 – atualizado há 39 segundos
Continua depois da publicidadePublicidade

Com uma proteção de vidro, pacientes com coronavírus e familiares conseguem se aproximar de maneira segura em São Miguel do Oeste, Santa Catarina. O Hospital Regional Terezinha Gaio Basso instalou um vidro em um local exclusivo para que os familiares possam se ver, o que tem ajudado a recuperar o ânimo de quem luta contra a Covid-19.

Durante o isolamento de pacientes com coronavírus, o contato físico é proibido, e as "visitas" costumam ser virtuais, por videochamada ou ligação telefônica. Internado há mais de 10 dias, Rodrigo de Oliveira, 42 anos, não via a esposa Pabline e o filho Igor desde então. A família é de São Domingos, e eles foram os primeiros a testar a novidade.

Depois da emoção inicial, tudo se tornou sorriso, conversa, alegria. Foi uma injeção de ânimo muito grande para ele e para todos nós também, familiares, amigos, conhecidos, todos envolvidos nessa luta pela vida dele, e foi bastante motivador - descreveu Pabline sobre o reencontro.
Família se reencontrou após mais de dez dias, mas com total segurança(Foto: Hospital Regional / divulgação)

Para a visita, diversas normas e critérios são avaliados em relação à saúde de quem irá ao hospital como faixa etária, ausência de comorbidades, não apresentar sintomas do coronavírus, entre outros, para que haja a liberação.

O encontro ocorre em horário marcado para que não altere a rotina de trabalho do hospital. A gerente de enfermagem Márcia Drehe explica que somente pacientes com longos períodos de internação poderão receber a "Visita Segura".

"É emocionante ver as famílias unidas, tocando as mãos, mesmo com um vidro entre elas. A energia não enxerga essa barreira e a visita revigora os pacientes, dando animo para a continuação do tratamento" - afirma Márcia.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...