Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Economia
Videoconferência debate auxílio emergencial para produtores do litoral atingidos pelo ciclone bomba
Covatti destacou a importância da parceria com o ministério e a agilidade no anúncio de medidas para reduzir os danos.
Ascom Seapdr
por  Ascom Seapdr
04/08/2020 22:55 – atualizado há 36 segundos
Continua depois da publicidadePublicidade

Uma videoconferência realizada na tarde desta terça-feira (04) tratou do auxílio emergencial para produtores de banana e abacaxi do litoral gaúcho atingidos pelo ciclone bomba entre 30 de junho e 1° de julho. Enquadrados no Programa de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), eles terão acesso a crédito de custeio e investimento com as taxas de juros mais baixas aplicadas ao programa (2,75% a.a.), no decorrer de todo o ano agrícola 2020/2021. As perdas estimadas nestas culturas chegam a R$ 100 milhões.

Participaram da reunião o secretário da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural, Covatti Filho, o secretário de Agricultura Familiar e Cooperativismo do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Fernando Schwanke, o deputado federal Alceu Moreira, integrantes da Comissão de Agricultura, Pecuária e Cooperativismo da Assembleia Legislativa, representantes de Banrisul, Banco do Brasil, Sicredi, Fetag, Famurs, sindicatos de trabalhadores rurais e Emater, além de prefeitos, lideranças da região litorânea e produtores rurais.

Emerson Foguinho/Ascom Seapdr

Covatti Filho destacou a importância da parceria com o Mapa e a agilidade no anúncio de medidas para reduzir os danos com o ciclone-bomba. Schwanke afirmou que o ministério conseguiu atender rapidamente à demanda, anunciando uma redução real dos juros, mas destacou que é necessário que o agricultor implante, daqui para a frente, a cultura do seguro rural. Ele citou o exemplo do município de São Pedro de Alcântara, que teve uma parcela muito pequena de agricultores com Proagro, o seguro rural.

“Queremos deixar como legado no ministério esta questão do seguro, que todos os produtores tenham”, afirmou Schwanke. Ele sugeriu que as entidades e os produtores renovem os bananais em parceria com a Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Epagri) de Santa Catarina, Estado que também teve perdas com o ciclone-bomba.

“Temos que saudar a rapidez no auxílio aos agricultores feita pelo governo federal, mas o desafio agora é este recurso chegar lá na ponta, no agricultor que está precisando. Vamos fazer um trabalho diário de acompanhamento para que todos tenham acesso”, afirmou o presidente da Fetag, Carlos Joel da Silva.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...