Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Saúde
Ministério da Saúde não renova pesquisa sobre efeitos da Covid-19 na população brasileira, diz UFPel
Epicovid é considerada o maior estudo brasileiro sobre prevalência do coronavírus. Universidade busca parcerias para dar sequência às próximas fases.
G1
por  G1
21/07/2020 09:46 – atualizado há 2 segundos
Continua depois da publicidadePublicidade

O Ministério da Saúde não irá renovar o financiamento da Epicovid, pesquisa que analisa a prevalência do coronavírus na população brasileira, coordenada pelo Centro de Pesquisas Epidemiológicas da Universidade Federal de Pelotas (UFPel).

Conforme o reitor da universidade, Pedro Hallal, o contrato inicial previa as três primeiras fases, que foram concluídas no início deste mês. Depois disso, a pasta não demonstrou interesse em avançar para novas etapas do estudo.

"Completamos as três fases, o projeto foi concluído. O que o Ministério poderia fazer, que seria razoável, era continuar e fazer mais fases da pesquisa. Infelizmente parece que o Ministério não está interessado, porque não nos procurou mais. Embora a gente tenha manifestado o quanto era importante seguir em mais fases da pesquisa", explica Hallal.
Ministério da Saúde não irá renovar financiamento da Epicovid, conforme Ufpel — Foto: Daniela Xu/Ufpel/Divulgação

A UFPel, agora, busca novas formas de financiamento para dar sequência às próximas fases da Epicovid. Conforme Hallal, já existem negociações com instituições de pesquisa e iniciativa privada, para evitar que o estudo seja afetado.

A terceira fase da pesquisa mostrou que, em dois meses, aumentou a prevalência do coronavírus em um grupo de cidades analisadas: de 1,9% (fase 1 da pesquisa entre 14 a 21 de maio) para 3,8% (fase 3, que ocorreu de 21 a 24 de junho). No mesmo período, o distanciamento social caiu de 23,1% para 18,9%.

"Os resultados, inclusive, foram bastante elogiados pelo Secretário-Executivo do Ministério [Elcio Franco]. Os artigos estão sendo publicados em uns dos melhores periódicos científicos do mundo, estão em avaliação e serão publicados. Não existe nenhuma razão científica que justifique a não continuação do financiamento. Agora, se existe alguma outra razão, nós desconhecemos", aponta o reitor.

Ainda não há uma previsão para a retomada das próximas etapas, já que os pesquisadores aguardam pelas negociações.

"É uma coisa muito triste para o Brasil, tu ter o maior estudo epidemiológico do mundo sobre coronavírus e o estudo parar no meio por falta de financiamento. Acho que é um pouco do retrato de como o país trata a ciência e tecnologia", afirma Hallal.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...