Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Saúde
Justiça suspende cobertura de testes de Covid-19 pelos planos
Decisão do Tribunal Regional Federal da 5ª Região foi após a ANS recorrer da determinação que incluía teste sorológico no rol de procedimentos.
CP
por  CP
14/07/2020 22:09 – atualizado há 52 segundos
Continua depois da publicidadePublicidade

O Tribunal Regional Federal da 5ª Região suspendeu a decisão que obrigava a cobertura de teste sorológico de Covid-19 pelos convênios médicos, após a ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) recorrer da decisão.

O entendimento derruba decisão anterior favorável à ação civil pública movida pela Aduseps (Associação de Defesa dos Usuários de Seguros, Planos e Sistemas de Saúde), que determinou a inclusão do teste sorológico no rol de procedimentos obrigatórios da ANS.

Van der Wall / AFP / CP

A decisão do desembargador Leonardo Coutinho suspendeu a decisão anterior da 6ª Vara Federal de Pernambuco que havia determinando que a ANS incluísse e regulamentasse, "como cobertura obrigatória, da realização dos exames sorológicos de IGM e IGG para o covid-19, mediante requisição médica física ou eletrônica, incluindo o referido exame em seu rol de procedimentos".

A decisão tem validade até o julgamento do mérito na Segunda Turma do TRF5. No texto, o magistrado citou as normas do Ministério da Saúde que já tornaram obrigatórios para os planos de saúde o exame para detectar a covid-19. "Por meio da Portaria nº 188, de 3 de fevereiro de 2020, o Ministro da Saúde declarou emergência em saúde pública de importância nacional (ESPIN), enquanto, com a edição da Resolução Normativa ANS nº 453/2020 - de 13 de março de 2020 - foi incluído, no rol de procedimentos obrigatórios para beneficiários de planos de saúde, o teste de detecção do SAS-COV-2 (PCR), o qual é coberto para os beneficiários de planos de saúde com segmentação ambulatorial, hospitalar ou referência, devendo ser realizado nos casos em que houver indicação médica, de acordo com os protocolos e diretrizes definidas pelo Ministério da Saúde", escreveu Coutinho.

O advogado Rafael Robba, especializado em direito à saúde, do escritório Vilhena Silva Advogados, vê com estranheza a decisão. Ele questiona o motivo da ANS recorrer de uma decisão que beneficiava quase 47 milhões de consumidores.

"Causa estranheza que a ANS tenha recorrido de uma decisão tão importante. A própria agência informa em seu site que realiza reuniões técnicas para inclusão do teste sorológico. Qual seria o motivo para recorrer da decisão? É uma conduta contraditória", avalia o especialista.

Robba lembra que foram necessários menos de 15 dias desde a edição da Resolução Normativa 458/20 para que consumidores perdessem o direito à cobertura do teste sorológico pelo plano. De acordo com a decisão, após a revogação da RN, os planos já não serão mais obrigados a cobrir o exame. O advogado lembra que clientes que pagaram pelo teste e solicitaram reembolso não devem mais ter o pedido atendido pelo convênio.

Desde março, os planos de saúde são obrigados a cobrir o exame RT-PCR, que identifica a presença do material genético do vírus, coletando amostras da garganta e do nariz. No entanto, o teste não detecta infecções em estágio inicial ou após a cura da doença.

Os testes sorológicos detectam a presença dos anticorpos IgA, IgG ou IgM no sangue do paciente, que são produzidos pelo organismo após exposição ao vírus. O exame é indicado após o oitavo dia desde o início dos sintomas.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...