Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Cidade
Leite abre possibilidade de municípios flexibilizarem regras do distanciamento controlado
Cidades gaúchas poderão aplicar planos e regras próprios de enfrentamento ao coronavírus
GZH
por  GZH
04/06/2020 22:26 – atualizado há 32 segundos
Continua depois da publicidadePublicidade

O governo do Estado autorizou, pela primeira vez desde o início da pandemia, que os municípios estabeleçam regras mais brandas do que aquelas definidas em âmbito estadual pelo distanciamento controlado. A mudança na política estadual de enfrentamento ao coronavírus está em um decreto publicado no domingo (30) e detalhado nesta quinta-feira (4) pelo governador Eduardo Leite.

O decreto permite que os municípios com bandeira de risco amarela ou laranja – situação atual das 497 cidades gaúchas – possam definir protocolos sanitários próprios, inclusive flexibilizando regras do distanciamento controlado estadual. Para isso, os municípios devem encaminhar um plano municipal de enfrentamento ao coronavírus, com as regras da cidade e as justificativas da mudança.

— Nosso modelo é consistente, mas o Estado tem uma diversidade de perfis econômicos nos municípios. Então, diante de algumas situações específicas, inclusive na Capital, entendemos que era o caso de dar a possibilidade aos prefeitos para ajustes em protocolos – afirmou Leite, durante transmissão ao vivo em rede social.

Conforme o governo do Estado, os planos municipais devem ser “estruturados” e “ter respaldado em evidências científicas”. As regras municipais não precisarão ser aprovadas pelo governo do Estado, passando a valer após o envio.

— São ajustes para que a economia local possa ter protocolos específicos, com decisões em que eventualmente (o município) vai ser mais restritivo do que o Estado em uma área, para ser menos restritivo que o Estado em outra – completou Leite.

No primeiro dia de aplicação do distanciamento controlado, em 11 de maio, Leite chegou a destacar que “o município pode ser mais restritivo do que o Estado, mas não menos restritivo”. Com essa mudança de paradigma, os municípios podem, inclusive, mudar protocolos sanitários sobre práticas esportivas, como o futebol. A extensão das mudanças possíveis ainda não foi esclarecida.

Leite diz entender crítica de infectologistas

Há duas semanas, o Piratini passou a considerar, para o cálculo das bandeiras de risco regionais, apenas os exames dos pacientes hospitalizados. Os demais números de contaminados passaram a ser desconsiderados na fórmula que apura a proliferação do coronavírus. Há poucos dias, a Sociedade Riograndense de Infectologia (SRGI) emitiu nota criticando essa mudança e alertando para riscos. Ao tratar do tema, nesta quinta (4), Leite disse entender o alerta dos infectologistas, mas reafirmou que o Piratini teve apoio de especialistas para mudar o cálculo de risco em cada região.

– Ouvimos especialistas. Não foi uma decisão tomada em gabinete ou uma decisão política. Foi uma decisão técnica em função da confiabilidade dos dados. Eu concordo até com a análise da Sociedade de Infectologia, era melhor que tivéssemos as informações (de todos os) exames, mas não temos esses dados de forma confiável – apontou Leite.

Nesta quinta (4), o governo também lançou dois canais de comunicação para que a população tire dúvidas sobre o distanciamento controlado. Em operação desde segunda (1), é possível contatar o governo pelo telefone (51) 3288-9364 e pelo chat disponível em rs.gov.br ou distanciamentocontrolado.rs.gov.br.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...