Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Rio Grande do Sul
Região Norte do RS tem maior taxa de ocupação de UTIs
Região de Passo Fundo está com 73,2% dos leitos públicos e privados ocupados
GZH
por  GZH
20/04/2020 21:03 – atualizado há 38 segundos
Continua depois da publicidadePublicidade

Os dados mais recentes sobre internações hospitalares no Rio Grande do Sul mostram que o Norte do Estado é a região com maior ocupação de leitos de UTI. Os números, apresentados pelo governador Eduardo Leite, indicam que a região de Passo Fundo e cidades vizinhas está com 73,2% dos leitos públicos e privados de UTI ocupados — seja pela covid-19, seja por outras doenças.

Divulgação

Na segunda posição está a Serra, com 68,2% de ocupação dos leitos intensivos, seguida pela região metropolitana de Porto Alegre, com 64,9% de ocupação.

A região com maior percentual de leitos disponíveis é o Centro do Estado. Em Santa Maria e entorno, há 27,6% de UTIs ocupadas. Na Região dos Vales, a ocupação é de 38,4%; na Região de Ijuí, 50%; e, no Sul, 42,8%.

Ainda conforme os dados obtidos pelo governo do Estado, o Rio Grande do Sul tem, hoje, 1.630 leitos de UTI, dos quais 951 estão ocupados, o que representa 58,3% de taxa de ocupação.

Ocupação de UTIs para covid-19 é de 15%

De acordo com o levantamento, o Estado tem atualmente 54 pacientes com confirmação de covid-19 internados em UTIs. Outros 96 pacientes internados nos leitos intensivos ainda são casos suspeitos. Os 150 pacientes internados por covid-19 representam uma ocupação de 15,7% dos leitos de UTI no Estado.

Estudo indica que Estado evitará quase 300 mortes até o fim de abril

Durante a transmissão ao vivo, nesta segunda , Eduardo Leite também apresentou o resultado de um estudo com projeções de casos de covid-19 no RS. O cálculo projeta que, até o fim de abril, com as medidas restritivas que vêm sendo adotadas, o Estado registre um total de 62 mortes por coronavírus.

A projeção também aponta que, se não fossem adotadas medidas de distanciamento social, o coronavírus mataria 354 pessoas no Estado até o fim do mês.

— Este modelo projeta que chegaremos ao final do mês de abril com 62 mortes, enquanto, sem mitigação, sem a redução de atividades, chegaríamos a 354 mortes. O que significa dizer que estamos falando em salvar quase 300 vidas no Rio Grande do Sul até o final deste mês, por termos adesão das pessoas às restrições de atividades — destacou Leite.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...