Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Divulgação
Cidade
Relatório da ONU diz que aborto e identidade de gênero são direitos humanos
Bilhões de pessoas ao redor do mundo exercitaram sua liberdade religiosa durante a Semana Santa, mas um novo relatório das Nações Unidas ameaça minar essa liberdade e os direitos das mulheres.
Gaaeta do povo
por  Gaaeta do povo
18/04/2020 13:35 – atualizado há 31 segundos
Continua depois da publicidadePublicidade

O relatório do especialista da ONU responsável pela proteção à liberdade religiosa, Ahmed Shaheed, defende a pauta progressista do aborto e dos “novos” direitos baseados na ideologia de gênero.

Parece que a ONU está disposta a tirar direitos dos mais vulneráveis e manchar a credibilidade dos direitos humanos universais a fim de promover os valores de uns poucos países ricos — mudança à qual a administração Trump deveria se opor.

Num relatório sobre liberdade religiosa, os burocratas da ONU passam por cima de tratados para incluir coisas como o aborto na lista dos direitos humanos.oto: "Pixabay

"O relatório do infame Conselho de Direitos Humanos da ONU tira o poder de mulheres e meninas envolvendo os temas ligados a elas em afirmações novas baseadas na orientação sexual e na identidade de gênero. O relatório inclui uma interpretação controversa da “igualdade de gênero” que promove a aceitação da ideologia de gênero e o conceito “identidades de gênero” múltiplas e fluidas.

Antigamente, “igualdade de gênero” era um termo que se referia apenas à diminuição das desigualdades enfrentadas pelas mulheres. Mas os burocratas da ONU começaram a tentar redefinir o gênero a fim de incluir a “identidade de gênero”, isto é, as mulheres que se identificam como homens e os homens que se identificam como mulheres.

Em alguns países, a criação de novos direitos baseados na identidade de gênero tem reduzido a segurança e privacidade das mulheres e meninas em lugares como abrigos, prisões e banheiros públicos. Esses direitos novos também diminui as oportunidades de elas se destacarem no esporte ao obrigá-las a competirem contra homens biológicos.

Ao se ater à promoção do aborto e dos direitos dos LGBTQ, o relatório da ONU ignora problemas urgentes e sérios que as mulheres e meninas do mundo todo enfrentam. As mulheres são 52% das vítimas de tráfico humano, mas o relatório não menciona isso, assim como não menciona o trabalho de grupos religiosos para combater essa tragédia.

Oitenta por cento da população mundial enfrenta restrições à liberdade religiosa, e muitas dessas vítimas são mulheres. Mas o relatório é superficial quanto a essa questão.

"Em assuntos sobre os quais não há tratados, os burocratas da ONU deveriam respeitar a soberania e a liberdade dos estados membros de firmarem suas próprias leis. Quando um novo direito é estabelecido, ele deve ser analisado a fim de se descobrir se ele viola algum direito humano fundamental. Depois disso, há um processo no qual cada estado membro debate e vota sobre o assunto.

O desprezo a esse processo desvaloriza o voto dos estados membros, sobretudo dos países menores e mais pobres. Essa postura dá margem à crítica de que os direitos humanos são apenas um pretexto para impor valores ocidentais. A Santa Sé apontou isso, chamando o relatório de “um instrumento de colonização ideológica”.

A administração Trump tem tomado medidas ousadas para proteger os direitos humanos, como dar voz a mulheres que sobreviveram ao genocídio promovido pelo Estado Islâmico, Boko Haram e Holocausto. Ao realizar duas conferências sobre a proteção da liberdade religiosa, os Estados Unidos também criaram importantes alianças multilaterais.

Essas alianças podem ser úteis na proteção desse direito humano fundamental, inclusive para mulheres e meninas. Os burocratas da ONU deveriam ser parceiros nesse esforço, e não adversários.

Mas, para que isso aconteça, os Estados Unidos e países aliados têm exigir que os burocratas da ONU protejam os direitos humanos de acordo com os textos dos tratados, e não criando empecilhos para que esse objetivo se cumpra.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...