Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Segurança
Leilões de carros de luxo apreendidos na Operação Egypto rende mais de R$ 1,1 milhão
Nove dos 34 veículos foram vendidos em dois pregões realizados.
GZH
por  GZH
13/04/2020 21:49 – atualizado há 14 segundos
Continua depois da publicidadePublicidade

Leilão realizado nesta segunda-feira (13) resultou na venda de mais oito veículos de luxo apreendidos durante a Operação Egypto, da Polícia Federal, que investigou crimes envolvendo a empresa Indeal, do Vale do Sinos, que atuava no ramo de criptomoedas. 

Não houve interesse pelos outros 25 carros oferecidos. A equipe da leiloeira Joyce Ribeiro, responsável pelos leilões, vai sugerir ao juiz responsável pelo processo uma redução dos valores dos bens e nova tentativa de venda.

Divulgação leiloeira Joyce Ribeiro / Leiloeira Joyce Ribeiro

Este é o segundo leilão para tentar negociar os bens de investigados no suposto esquema de fraude. No primeiro, que ocorreu em 1o de abril, um veículo foi vendido – uma Mercedes Benz GLC 250, modelo 2019 , por R$ 224,05 mil.

A soma dos bens arrematados chega a R$ 1.151.050. Foram vendidos nesta segunda três Land Rover Evoque, 2018 (R$ 152 mil cada) – dois deles blindados —, Nissan 370Z Nismo, 2012 (R$ 120 mil), Mercedes-Benz, 2018 (R$ 96 mil), Fiat Toro Volcano, 2019 (R$ 88 mil), Hyundai Tucson Turbo, 2019 (R$ 84 mil) e uma Toyota Hilux, 2015 (R$ 83 mil).

Os 34 carros de luxo, somados, estão avaliados em R$ 6,188 milhões. Segundo a Receita Federal, a Indeal deve mais de R$ 1,1 bilhão a 23,2 mil clientes.

O veículo mais caro é uma Ferrari California, fabricada em 2009, com 14.989 quilômetros rodados, avaliada em R$ 670 mil. O carro mais potente é o BMW X6, versão esportiva, de 575 cavalos, fabricado em 2017, avaliado em R$ 420 mil. Com pouquíssimo uso, há um Mustang GT blindado, 2019, com apenas 413 quilômetros rodados. Ambos ainda não foram vendidos.

Os bens são de investigados ainda não condenados. Por isso, os valores obtidos com as arrematações ficam depositados em uma conta judicial até o trânsito em julgado do processo. Entre os motivos está evitar a desvalorização do que foi apreendido.

Em caso de condenação, o dinheiro será usado para ressarcir as supostas vítimas da Indeal. Em caso de absolvição, o valor é repassado aos réus.

Quem arremata precisa pagar o valor em até 24 horas. Em média, o bem é liberado ao comprador em 60 dias. Todos os veículos estão livres de taxas, como IPVA, multas e eventuais financiamentos. Não há garantia do bem para quem faz a aquisição.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...